PUBLICIDADE

Rins valoriza GP em que recuperou 13 posições em uma volta: "Nem sei o que fiz na largada"

23º no grid de Portimão, espanhol da Suzuki apareceu em décimo já no fim do primeiro giro, mas teve de conter a escalada por cousa do desgaste do pneu dianteiro. Vice-líder da MotoGP considerou que resultado contribui para a confiança

25 abr 2022 09h16
ver comentários
Publicidade
Largada de Álex Rins foi um dos grandes destaques do GP de Portugal
Largada de Álex Rins foi um dos grandes destaques do GP de Portugal
Foto: Suzuki / Grande Prêmio

EUROPA X JAPÃO NA MOTOGP: CHEGOU A HORA DA REAÇÃO DAS GIGANTES YAMAHA, HONDA E SUZUKI?

Álex Rins afirmou que nem sabe o que fez na largada do GP de Portugal para conquistar 13 posições em uma única volta. O espanhol começou a corrida de domingo (24) na 23ª colocação, mas conseguiu se recuperar para receber a bandeirada em quarto e fechar o dia na vice-liderança da MotoGP.

O piloto da Suzuki ganhou 13 posições ainda na primeira volta e seguiu com a escalada ― também aproveitando quedas que aconteceram à frente ― para avançar até a quarta posição, fora do pódio por só 3s565 de atraso para Aleix Espargaró, o terceiro colocado.

CLASSIFICAÇÃO MOTOGP

Álex Rins (Foto: Suzuki)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"Quando cheguei em Aleix Espargaró, já não tinha mais pneus dianteiro do lado direito, então preferi ficar ali. Fiz uma tentativa de ultrapassá-lo, mas vi que não podia e só fui com ele para fugir dos que vinham atrás e garantir o quarto posto", explicou.

Rins contou que não sabe muito bem o que fez no giro inicial, mas avaliou que valoriza mais a prova deste fim de semana do que o GP das Américas, quando conquistou o segundo lugar, o melhor resultado do ano.

"Não sei nem o que fiz na largada. O semáforo estava longe. Fui por fora e isso foi um risco, mas passar pela linha de chegada em décimo ou 11º, saindo quase em último não é nada fácil. Talvez eu dê mais valor a esta remontada do que a corrida de Austin. Largar de último não é fácil", reconheceu.

Com o resultado, Rins sai de Portimão na vice-liderança do campeonato, mas empatado com Fabio Quartararo em 69 pontos na classificação do Mundial de Pilotos.

"O bom deste fim de semana é o resultado e a minha confiança. Não foi muita gente que me mostrou o apoio que tive hoje. Pode ser que agora essa perspectiva mude", comentou. "Agora eu tenho mais controle de mim mesmo, do meu estilo de pilotagem. Sinto mais claramente onde está o limite", explicou.

Na visão do espanhol, a melhora não é fruto apenas do trabalho pessoal dele, mas também do desempenho dos engenheiros com a GSX-RR.

"Graças à evolução do motor, podemos sentir melhor a moto. No final do ano passado, estava na merda, mas fizemos uma boa pré-temporada neste ano, com os meus preparadores", concluiu.

A MotoGP volta às pistas na semana que vem para o GP da Espanha, em Jerez de la Frontera. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da sexta etapa do Mundial de Motovelocidade 2022.

ASSISTA

DIOGO MOREIRA CHEGA BEM PREPARADO NA MOTO3 E SE DESTACA LOGO DE CARA

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade