PUBLICIDADE

Quartararo vê Bagnaia imbatível em Jerez: "Estava muito rápido, muito consistente"

Francês disse que planejava passar o rival da Ducati nas primeiras voltas do GP da Espanha, mas não encontrou nenhuma brecha. Fabio explicou que sentiu aumento de pressão e temperatura do pneu dianteiro por seguir o italiano por toda a corrida

2 mai 2022 07h55
ver comentários
Publicidade
Francesco Bagnaia não deu chance de ataque para Fabio Quartararo
Francesco Bagnaia não deu chance de ataque para Fabio Quartararo
Foto: Divulgação/MotoGP / Grande Prêmio

CAMPEÃO X VETERANO: QUEM DEVE ORIENTAR EVOLUÇÃO DA YAMAHA NA MOTOGP?

Fabio Quartararo avaliou que Francesco Bagnaia esteve imbatível no GP da Espanha de domingo (1). O piloto da Yamaha destacou a velocidade e a consistência do rival e relatou que sentiu aumento de pressão e temperatura do pneu dianteiro da YZR-M1 por seguir a Ducati #63 ao longo de toda a corrida em Jerez de la Frontera.

Segundo no grid da prova andaluz, Fabio era o grande favorito à vitória, já tinha mostrado o melhor ritmo de corrida durante o quarto treino livre, quando os pilotos fazem as simulações de GP. Na hora da largada, porém, Pecco sustentou a pole e não mais foi incomodado.

CLASSIFICAÇÃO DA MOTOGP

Francesco Bagnaia e Fabio Quartararo rodaram juntos por toda a corrida em Jerez (Foto: Divulgação/MotoGP)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Após a corrida, 'El Diablo' explicou que o plano original era tentar tomar a ponta ainda no início da disputa, mas isso nunca aconteceu. O piloto chegou até a precisar se afastar do adversário de Torino para dar um descanso ao pneu dianteiro, sobrecarregado da perseguição que durou 25 voltas.

"Sim, foi difícil. A minha meta era ultrapassar Pecco nas primeiras duas, três voltas. Mas ele foi super-rápido, estava freando super bem e firme", disse Quartararo. "Então foi difícil e, quando eu estava atrás dele, tinha a sensação de que a pressão e a temperatura do meu pneu dianteiro estavam super altas", contou.

"Aí tive de abrir uma pequena distância em relação ao Pecco, pois não podia pilotar atrás dele", justificou. "Dei meu melhor nas últimas voltas para tentar alguma coisa, mas não foi possível tentar nenhuma ultrapassagem, pois ele estava muito rápido, muito consistente. Mas estou realmente feliz com essa corrida, pois o nosso ritmo foi forte", comentou.

O francês da Yamaha explicou, ainda, que um pequeno susto na curva 11 o fez desistir de tentar um ataque na curva final, embora reconheça que tinha poucas chances de superar Bagnaia, que venceu com 0s285 de vantagem.

"Na última volta, eu estava forçando para caramba, mas tentei fazer a curva 11 super-rápido para ter uma chance na última curva, mas perdi um pouco a dianteira", relatou. "Pensei: 'Ok, vou mais devagar'. Faltavam duas curvas, não tinha chance de passar Pecco na última curva", reconheceu.

"Então fui com calma nas últimas duas curvas, mas não podia tentar nada, pois Pecco, quando estava sozinho, não estava atrás de ninguém, o que é muito melhor para o pneu dianteiro. Mas ele realmente pilotou muito bem nas primeiras voltas para ter essa chance", concluiu.

EUROPA X JAPÃO NA MOTOGP: CHEGOU A HORA DA REAÇÃO DAS GIGANTES YAMAHA, HONDA E SUZUKI?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade