PUBLICIDADE

Quartararo mostra velocidade e maturidade para protagonizar primeira metade de 2021

No terceiro ano na MotoGP, o francês de Nice mostrou que amadureceu e, com uma performance constante, saiu de férias com a liderança do campeonato, perfeitamente encaixado com a equipe de fábrica da Yamaha

13 jul 2021 05h02
| atualizado às 08h47
ver comentários
Publicidade
Fabio Quartararo entrou de férias com folga na liderança da MotoGP
Fabio Quartararo entrou de férias com folga na liderança da MotoGP
Foto: Yamaha / Grande Prêmio

Fabio Quartararo foi o grande protagonista da primeira metade da temporada 2021 da MotoGP. Vindo de um ano em que desidratou na reta final da disputa pelo título, o francês de Nice mostrou maturidade nas primeiras nove corridas deste ano e partiu para as férias com a liderança do Mundial de Pilotos, 34 pontos à frente de Johann Zarco, o segundo na tabela.

2021 começou com um passo importante para Fabio. Indo para o terceiro ano na classe rainha do Mundial de Motovelocidade, Quartararo deixou a satélite SRT e foi para a equipe de fábrica da Yamaha para substituir Valentino Rossi. Mas apesar da árdua missão de ocupar a vaga de um dos mais importantes pilotos da história da fábrica de Iwata, o jovem de 22 anos fez a tarefa parecer fácil.

Fabio Quartararo subiu na escada de performance na temporada 2021 (Foto: Yamaha)

Vale dizer que a transferência de Fabio para a equipe oficial mereceu questionamentos, especialmente na metade final do campeonato passado. Naquela época, o francês tinha feito uma boa primeira parte de Mundial, mas perdeu tanto que do sonho do título acabou apenas em oitavo na classificação.

Diferente de 2020, porém, Quartararo encontrou a consistência necessária. Nas nove corridas disputadas até aqui, o companheiro de Maverick Viñales somou em média 17,3 pontos em cada corrida. Foram quatro vitórias, um total de seis pódios, um quinto e um sexto ― fruto de duas punições, inclusive pela polêmica do macacão aberto na Catalunha. O pior resultado foi o 13º lugar do GP da Espanha, quando sofreu com arm-pump, um problema circulatório comum entre os pilotos da MotoGP.

Só para comparar, nas primeiras nove das 14 etapas da reduzida temporada passada, Quartararo somou em média 12,7 pontos por GP, com três vitórias e só mais uma corrida dentro do top-4.

O salto de performance era mais do que necessário, mas não deixa de surpreender. 'El Diablo' ainda é jovem e recebeu uma dura missão ao ser encarregado de suceder Rossi. O piloto, contudo, não se abalou com a grande responsabilidade.

Além de continuar manifestando uma boa velocidade, o que lhe rendeu mais da metade das poles no ano, Quartararo deu o passo que faltava e foi protagonista. Hoje, o ex-Moto3 e Moto2 é o líder da Yamaha, tomando para si uma responsabilidade que, a julgar por experiência e tempo de casa, deveria ser de Maverick Viñales.

A situação do espanhol, aliás, reforça ainda mais o papel vital de Fabio em 2021. Com o 'Top Gun' de saída no fim do ano, resta ao competidor da Riviera Francesa a missão de conduzir os próximos passos da Yamaha. Afinal, Rossi, em baixa, parece mais próximo da aposentadoria, enquanto Franco Morbidelli se recupera de uma cirurgia no joelho.

Pelo que fez na primeira metade da disputa, é justo dizer que a marca dos três diapasões acertou em cheio com a promoção de Quartararo ao time de fábrica. E, se conseguir manter a YZR-M1 na frente das rivais, o #20 tem nas mãos uma chance de corrigir a rota desviada no ano passado e devolver o título da MotoGP a Iwata.

A MotoGP está de férias por cinco semanas e volta a correr apenas no dia 8 de agosto, no Red Bull Ring, para o GP da Estíria. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade