PUBLICIDADE

Pol Espargaró reclama de falta de aderência traseira da Honda: "Problema sério"

O bom desempenho da Honda na pré-temporada da MotoGP não tem se repetido na temporada de 2022, e Pol Espargaró afirmou que problemas com os pneus traseiros não eram esperados e que a equipe ainda não sabe como resolvê-los

26 abr 2022 13h19
ver comentários
Publicidade
Pol Espargaró terminou GP de Portugal em 9º
Pol Espargaró terminou GP de Portugal em 9º
Foto: Repsol / Grande Prêmio

EUROPA X JAPÃO NA MOTOGP: CHEGOU A HORA DA REAÇÃO DAS GIGANTES YAMAHA, HONDA E SUZUKI?

O início de temporada da Honda na MotoGP tem sido decepcionante. Depois de uma pré-temporada em que tudo apontava para um bom ano de 2022, a construtora ainda não conquistou nenhuma vitória nas cinco primeiras corridas. Pol Espargaró até brigou pela ponta na prova de abertura no Catar, mas terminou na terceira colocação, melhor resultado da equipe até aqui.

No GP de Portugal, os pilotos sofreram novamente. Marc Márquez terminou na sexta colocação, com seu irmão, Álex, em sétimo, e Pol apenas na nona colocação. Para Espargaró, a principal dificuldade em Portimão foi a aderência dos pneus traseiros, um problema que não apareceu na pré-temporada e que se tornou um grande quebra-cabeça para a Honda resolver.

"Estamos sempre escolhendo entre o que queremos: aderência lateral ou aderência de reta. "Eles [os rivais] têm os dois, então por que precisamos escolher? É difícil entender, porque a moto que estamos usando agora estava funcionando perfeitamente no Catar e na pré-temporada", lembrou o espanhol após a prova em Portimão.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Pol Espargaró não entende de onde surgiu o problema na traseira da Honda (Foto: Divulgação/MotoGP)

"Todos os pilotos concordaram, todos estavam contentes, exceto por alguns pequenos problemas na frente. Mas ninguém estava reclamando da traseira. E agora temos problemas sérios e não sabemos como resolvê-los. Agora é a hora de estarmos unidos na fábrica e trabalharmos juntos na mesma linha", ressaltou Espargaró.

As dificuldades pegaram Pol de surpresa. Para o espanhol, a Honda claramente tinha a moto mais rápida tanto em voltas rápidas quanto em ritmo de corrida durante a pré-temporada. Por isso, a equipe optou por não fazer alterações drásticas, apenas poucos ajustes que não podem ter causado os problemas na traseira.

"Não fizemos grandes mudanças na moto, apenas pequenas configurações que não produzem esse efeito. Por que precisamos trocar a moto se fomos os mais rápidos na pré-temporada? Não faz sentido. Na pré-temporada, fomos os mais rápidos em uma volta e também de longe os mais rápidos em ritmo de corrida. Então, não trocamos a moto porque era incrível. Adicionamos alguns pequenos detalhes que não produziram essa grande mudança e estamos sofrendo", explicou Espargaró.

Pol Espargaró ocupa atualmente a 12ª colocação no Mundial de Pilotos, um ponto atrás de seu companheiro de equipe Marc Márquez. A MotoGP retorna no dia 1 de maio, para o GP da Espanha, em Jerez de La Frontera.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade