PUBLICIDADE

Pilotos da MotoGP evitam falar de racismo e pautas LGBTQIA+: "Difícil responder"

Maverick Viñales, Fabio Quartararo e Francesco Bagnaia foram questionados sobre causas sociais, como racismo e o movimento LGBTQIA+, após a classificação para o GP da Holanda. O trio, no entanto, se esquivou e saiu sem dar uma resposta contundente sobre o assunto

26 jun 2021 13h50
ver comentários
Publicidade
Os três primeiros do grid em Assen evitaram comentários sobre pautas sociais
Os três primeiros do grid em Assen evitaram comentários sobre pautas sociais
Foto: Yamaha / Grande Prêmio

A cada dia que passa, o mundo esportivo se vê cada vez mais envolvido em questões sociais, como causas antirracistas e de proteção a pessoas LGBTQIA+. Na Fórmula 1, puxados por Lewis Hamilton, muitos pilotos passaram a ajoelhar antes das corridas para dar visibilidade a movimentos, como o 'Black Lives Matter'. Na MotoGP, no entanto, o engajamento é muito menor.

O único movimento feito por um piloto foi com Franco Morbidelli, no GP de San Marino do ano passado, quando correu com um capacete temático inspirado no filme 'Faça a coisa certa', de Spike Lee, e clamou por igualdade em vários idiomas. Além disso, o piloto ajoelhou-se em Valência, acompanhado por Gino Rea.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Fabio Quartararo preferiu a neutralidade sobre o assunto
Fabio Quartararo preferiu a neutralidade sobre o assunto
Foto: Divulgação/MotoGP / Grande Prêmio

WEB STORIES

Na coletiva de imprensa após a classificação da MotoGP em Assen, na Holanda, o assunto foi levantado, mas os três pilotos da classe rainha do Mundial de Motovelocidade se recusaram a falar sobre as causas sociais. Maverick Viñales, Fabio Quartararo e Francesco Bagnaia fugiram de opiniões por medo de dizer algo impróprio, segundo eles.

"Nós nunca conversamos sobre isso, com certeza. Eu não sei o que dizer porque é difícil responder, mas nunca falamos sobre o assunto", disse Viñales, o pole em Assen.

"Não vou responder porque não quero responder algo ruim, então prefiro ser neutro", opinou Quartararo.

"Pois é, muito fácil falar algo errado em uma situação assim, como fiz ano passado em Misano. Logo, é melhor ficar quieto. Mas poderia ser uma boa ideia", afirmou Bagnaia.

A largada do GP da Holanda, nona etapa da MotoGP, está marcada para 9h (de Brasília) de domingo. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade