PUBLICIDADE

Bagnaia revela "muitas expectativas" para Jerez: "Voltei a fazer o que quero com a moto"

Francesco Bagnaia não negou o início abaixo em 2022, mas reiterou que se já se sente melhor com a Ducati #63 em mãos

1 mai 2022 04h31
ver comentários
Publicidade
Bagnaia é o pole-position do GP da Espanha
Bagnaia é o pole-position do GP da Espanha
Foto: Ducati / Grande Prêmio

DIOGO MOREIRA CHEGA BEM PREPARADO NA MOTO3 E SE DESTACA LOGO DE CARA

Francesco Bagnaia não teve um início de temporada fácil em 2022. Além de um abandono na etapa inaugural do Catar, o italiano — que terminou 2021 com quatro vitórias e nove pódios — não conseguiu passar da quinta posição nas corridas.

Mas o dono da moto #63 dá sinais de recuperação. Em Portugal, Pecco sofreu forte queda no sábado, durante o Q1, sofreu forte queda e, por isso, largou da última posição no domingo. Ainda assim, terminou em oitavo. Agora, na Espanha, vai largar da pole-position. E é por isso que ele se mostra animado para as próximas corridas, já começando por Jerez.

"Começamos [aqui em Jerez] de onde paramos em Portimão, a expectativa é muito boa. Posso frear forte, posso entrar na curva rápido. Isso era algo que estava faltando, mas é algo que finalmente ajustamos. Isso me ajuda muito", disse ele.

PRÉVIA MOTOGP

Francesco Bagnaia (Foto: Divulgação/MotoGP)

Promotora adia gravações de segunda temporada de 'MotoGP Unlimited' para 2023

"Agora posso voltar a fazer o que quero. Somos rápidos quando levar a moto para onde queremos. Em Portimão, foi a primeira vez que voltei a andar assim e aqui estamos na mesma situação", acrescentou.

Bagnaia também enfatiza que a mudança para a GP22 foi brusca. Isso porque ele tinha um jeito específico de guiar a moto vencedora da Ducati no ano passado e, portanto, é preciso de mais tempo para se adaptar e mudar a abordagem em 2022, segundo o piloto de 25 anos.

"O que acontece é que precisamos de mais tempo para nos adaptarmos a uma moto diferente. No final das contas, é melhor assim, tive de mudar um pouco o meu estilo de pilotagem", explicou ele.

"Olhando também para os dados do ano passado, fiz o mesmo tempo de volta no TL2 [em Jerez, neste ano], a diferença está na frenagem. Posso entrar na curva muito mais rápido. Posso encurtar a linha, então essa é a maior diferença entre as duas motos. E trabalhando com a mesma moto é fácil para eu melhorar, é melhor", encerrou.

CAMPEÃO X VETERANO: QUEM DEVE ORIENTAR EVOLUÇÃO DA YAMAHA NA MOTOGP?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade