0

Maradona deixa cargo de treinador do Gimnasia y Esgrima

19 nov 2019
17h51
  • separator
  • 0
  • comentários

Diego Maradona deixou o cargo de técnico do clube argentino Gimnasia y Esgrima, ocasionando um encerramento, de forma prematura, de mais um trabalho do campeão mundial como treinador.

Diego Maradona durante partida do Gimnasia y Esgrima pelo Campeonato Argentino
15/09/2019 REUTERS/Agustin Marcarian
Diego Maradona durante partida do Gimnasia y Esgrima pelo Campeonato Argentino 15/09/2019 REUTERS/Agustin Marcarian
Foto: Reuters

"Maradona não é mais o técnico do Gimnasia", disse o presidente do clube, Gabriel Pellegrino, à estação de rádio local La Red, nesta terça-feira.

Maradona, que assumiu o clube em setembro, tinha dito que só continuaria se Pellegrino permanecesse como presidente após as eleições do clube.

Pellegrino, no entanto, abandonou a corrida presidencial quando um pacto eleitoral se desfez.

Maradona, que venceu a Copa do Mundo do México, em 1986, e é frequentemente considerado um dos maiores jogadores de todos os tempos, assumiu o clube de La Plata, nas proximidades de Buenos Aires, encarregado de ajudá-los a evitar o rebaixamento.

Ele perdeu seus três primeiros jogos no comando, e, embora tenha vencido três dos últimos cinco compromissos desde então, o time ainda está na terceira parte inferior da liga e corre o risco de ser rebaixado.

A saída de Maradona repete um tema muito desgastado em sua carreira de treinador. Dos seis times que ele treinou, apenas um emprego teve duração superior a um ano.

A única equipe que ele administrou por mais tempo foi o Al Wasl, dos Emirados Árabes Unidos, onde permaneceu no comando por 14 meses, entre os anos de 2011 e 2012.

Seu posto anterior, antes de retornar à Argentina, foi no clube mexicano Dorados de Sinaloa, onde ele saiu em junho, depois de nove meses no cargo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade