2 eventos ao vivo

Em exibição de gala, Tyson e Jones esbanjam categoria e iniciam a Liga das Lendas

Seguindo as regras da Comissão Atlética da Califórnia, os cinquentões calcularam cada golpe, mas proporcionaram às mentes dos fãs do boxe um retorno aos seus anos de glórias no ringue

29 nov 2020
03h30
atualizado às 12h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em uma exibição de gala, Mike Tyson e Roy Jones Jr esbanjaram categoria e técnica neste sábado, dia 28, no Staples Center, em Los Angeles, EUA. Seguindo as regras da Comissão Atlética da Califórnia, os cinquentões (54 anos e 51, respectivamente) calcularam cada golpe, mas proporcionaram às mentes dos fãs do boxe um retorno aos seus anos de glórias no ringue.

Durante oito rounds, de dois minutos cada, os dois lendários pugilistas mostraram preparo físico privilegiado e habilidade para boas trocas de golpes. Pouquíssimos atingiram a cabeça, o corpo foi o alvo preferido. Tudo para que não houvessem cortes, que causariam, por regra, a paralisação do combate.

Nas redes sociais, o mundo do boxe aprovou a apresentação, com elogios do mítico George Foreman. "Foi uma grande exibição. Foi ótimo para o boxe", disse o campeão mundial em 1974 e 1994. A série de elogios faz com que a "Liga das Lendas" se torne uma realidade daqui para frente e outros campeões do passado deverão voltar à atividade, para alegria dos amantes da nobre arte. E não somente do boxe. A Liga quer reunir ex-atletas de outras modalidades. "Lógico que vou voltar", disse Tyson, após a exibição. "Eu vou falar com minha família primeiro", disse Jones, bastante cansado e orgulhoso por usar luvas nas cores do Los Angeles Lakers em homenagem ao amigo Kobe Bryant, morto em janeiro.

O primeiro round mostrou um Tyson muito rápido para a idade, fazendo os saudosistas vibrarem com sua iniciativa. O Iron Man soltou jabs, saltou e golpeou forte o corpo de Jones, que tentou escapar do ataque e usou bastante os clinches. No segundo round, Tyson seguiu melhor e até tentou dois golpes na cabeça de Jones, que não se intimidou a agarrar o rival. No soar do gongo, apontando o fim do assalto, Tyson deu dois golpes na cintura e pediu desculpas.

Tyson tentou duas esquerdas fortes no terceiro assalto, mas errou. Neste round foi possível notar bem que os dois mediram a força nos golpes. Depois de um quarto assalto muito agarrado, o quinto teve boas trocas de golpes, sem acerto na cabeça. Tyson seguiu muito rápido e Jones arriscou usar mais seu jab e agarrou menos.

No sexto assalto, Tyson mostrou a mania de morder a luva. No sétimo, os dois imprimiram velocidade nos braços, mas nenhum golpe certeiro. As imagens da transmissão com as câmeras de longe deram a impressão falsa de agressividade. O oitavo e último assalto foi um show, com Jones ora com a guarda de canhoto, ora com ela baixa e até arriscando uma dança no ringue, enquanto Tyson seguiu no ataque até o fim.

No fim, o juiz Ray Corona indicou o 'empate' na exibição. Justo. Afinal, o boxe foi o grande vencedor da noite.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade