1 evento ao vivo

Vaias da torcida em pódio de Thiago Braz rendem bronca do COI

Alemão Thomas Bach usa conta do Twitter da entidade para reprovar as vaias do público no Engenhão a Renaud Lavillenie, durante a premiação do salto com vara

16 ago 2016
23h51
  • separator
  • comentários

O francês Renaud Lavillenie, que foi vaiado de forma intensa pela torcida que estava no Estádio Olímpico do Engenhão nesta terça- durante a cerimônia de entrega das medalhas da prova do salto com vara, recebeu apoio do COI (Comitê Olímpico Internacional). Na conta oficial do Twitter da entidade, o presidente Thomas Bach manifestou sua solidariedade ao francês, que foi campeão olímpico da prova nos Jogos de Londres-2012 e também detém o recorde mundial, com 6m16.

Thiago Braz consola o francês Renaud Lavillenie após as vaias recebidas no pódio. Entre eles, Serguei Bubka, ex-recordista mundial do salto com vara (Foto:Reprodução/Twitter do COI)
Thiago Braz consola o francês Renaud Lavillenie após as vaias recebidas no pódio. Entre eles, Serguei Bubka, ex-recordista mundial do salto com vara (Foto:Reprodução/Twitter do COI)
Foto: Lance!

- Chocante o comportamento do público que vaiou Renaud Lavillenie na cerimônia do pódio. Inaceitável nas Olimpíadas - disse Bach, em declaração publicada pelo Twitter do COI. Na postagem anterior, fora publicada uma foto mostrando o brasileiro Thiago Braz, campeão olímpico do salto com vara na Rio-2016, consolando Lavillenie e tendo a companhia de Serguei Bubka, o ucraniano que dominou a prova dos anos 80 e 90, atualmente um dos vice-presidentes da Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo).

A polêmica toda envolvendo o brasileiro e o francês aconteceu após a final da prova do salto com vara na última segunda-feira. Irritado com as vaias que recebeu no momento em que tentaria um último salto de 6m08, que poderia tirar o ouro de Braz, Lavillenie disse que jamais tinha visto um comportamento daqueles em uma competição de atletismo e que aquilo não representava o espírito olímpico.

Para piorar, ainda dentro da pista, disse a alguns repórteres que as vaias lembravam o que os alemães fizeram com o americano Jesse Owens nos Jogos de Berlim-1936, comparando a atitude dos brasileiros com a dos torcedores da Alemanha nazista. Depois, ainda na coletiva, Lavillenie retratou-se e pediu desculpas, dizendo que a comparação era descabida.



Lance!
  • separator
  • comentários
publicidade