5 eventos ao vivo

Tiago Nunes guarda boa lembrança sobre enfrentamento em final contra o Inter

Atual comandante do Furacão participou de reestruturação do Grêmio e (até) ganhou título sobre o Colorado em 2013

11 set 2019
13h38
  • separator
  • 0
  • comentários

Nesta quarta-feira (11), Athletico Paranaense e Internacional começam a decidir o título da Copa do Brasil deste ano na Arena da Baixada. Um dos personagens principais da final será o técnico do Furacão, Tiago Nunes. Sensação na última temporada, o treinador que é o atual campeão da Copa Sul-Americana coloca a equipe mais uma vez nos holofotes do futebol nacional.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Foto: Lance!

E o adversário traz boas lembranças ao treinador. Muito antes do sucesso alcançado à frente do time paranaense, Tiago construiu boa parte da sua carreira no futebol gaúcho.

Nascido em Santa Maria (RS), cidade do interior do Rio Grande do Sul, e formado em Educação Física, ele iniciou a carreira como preparador passando por diversos clubes - a maioria do seu estado natal - até se tornar treinador e auxiliar, em 2010. Daí em diante, a carreira promissora de Tiago começou a ganhar forma.

Foi campeão estadual no Acre no mesmo ano no comando do Rio Branco, e depois ainda teve passagem no Mato Grosso, até retornar para o território gaúcho. No ano de 2013, Tiago Nunes ganhou a sua primeira chance em um dos grandes times do Brasil: o Grêmio. O responsável por sua contratação foi Júnior Chávare, coordenador da base do clube na época.

- Em 2013, quando assumimos o Grêmio, nós fizemos um Raio-X da base e identificamos a necessidade de mudar os comandos. Precisávamos alterar o perfil dos treinadores, então trouxemos três novos para as categorias sub-15, sub-17 e sub-18 - conta Chávare, que atualmente comanda o processo de reestruturação no departamento amador do Atlético-MG e tem passagem pelo São Paulo além de ter sido observador da Juventus.
Os três nomes provam que o clube estava no caminho certo: Tiago Nunes assumiu o time sub-15; André Jardine, atual treinador da Seleção Olímpica, se tornou treinador do sub-17; e James Freitas, hoje o principal auxiliar-técnico do técnico do Palmeiras, Mano Menezes, passou a comandar o sub-18.

- O Tiago foi uma indicação de alguns colegas que trabalharam com ele. Ele já tinha uma bagagem de sub-20 e equipe principal, mas nós precisávamos de alguém no sub-15 que pudesse dar aos garotos o treinamento necessário e um pouco mais de experiência - explica Chávare.

O atual diretor da base do Galo conta que em 2013, primeiro ano da nova equipe técnica à frente da base tricolor, foi difícil. Ele explica que alguns dos motivos que contribuíram para a chegada de Tiago Nunes foram a sua experiência e o seu lado "professor":

- Ele era um técnico que tinha um processo didático muito refinado para a idade e ao mesmo tempo já possuía uma compreensão e exigência tática que seria um diferencial para a categoria", relata o diretor. "Pensamos muito nisso, porque sabíamos que estávamos trabalhando com uma geração de muito potencial. Tínhamos que buscar alguém que tivesse ao mesmo tempo essas características e a vivência de vestiário para transmitir aos garotos o perfil de jogo correto.

Em um período de reestruturação, o ápice da temporada veio com a equipe comandada por Tiago Nunes. Ele foi campeão do Campeonato Gaúcho justamente diante do Internacional, time que ele reencontra nesta quarta na melhor fase de sua carreira. A equipe gremista contava com nomes como o goleiro Phelipe Megiolaro e o volante Darlan (duas promessas do Tricolor Gaúcho), além do meia Jean Pyerre, hoje um dos destaques do elenco principal do clube.

- Foi uma experiência muito interessante. O Tiago conseguiu essa conquista contra o Inter que, na época, foi muito importante para nós. Apesar do nosso objetivo principal sempre ser o de formar, aquele título foi muito importante para dar um ânimo. Essa geração que hoje está explodindo no Grêmio se deve muito também ao trabalho que ele realizou em 2013 - finaliza Chávare.

Tiago permaneceu no Grêmio por oito meses. Depois disso, dirigiu o time sub-20 do Juventude e foi treinador de outras seis equipes do estado até chegar ao Athletico em 2017. Com a boa campanha no time sub-19 e o título do Campeonato Paranaense com a equipe de aspirantes, ele ganhou espaço e assumiu a direção do time principal em 2018 após a demissão de Fernando Diniz.

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade