PUBLICIDADE

Série B: Figueirense sai do Z4 com goleada diante do Oeste

Uso preciso da bola parada foi determinante para os três pontos que colocam o Alvinegro em 14° e dão continuidade ao "calvário" do Rubrão

2 out 2020 18h19
ver comentários
Publicidade

No jogo de dois times que precisavam vencer para pensar em recuperação na Série B, melhor para o Figueirense que, contra o Oeste, aplicou uma goleada de 4 a 1 jogando no Orlando Scarpelli nessa sexta-feira (2).

Foto: Patrick Floriani/FFC
Foto: Patrick Floriani/FFC
Foto: Lance!

O marcador construído com gols de Brunetti, Dudu, Sidimar (contra) e Diego Gonçalves (Renan Fonseca diminuiu para os paulista) colocou o Figueira momentaneamente na 14ª colocação com 13 unidades e faz com que o time de Barueri siga em último lugar tendo somente seis pontos.

FORÇA AÉREA EM DIA

Se pelo chão as coisas não estavam funcionando bem nos primeiros minutos para ambos os lados, os lances de bola parada ou ultrapassagem com cruzamentos eram uma alternativa bastante eficiente. Na batida de escanteio aos quatro minutos, o zagueiro Brunetti subiu bem e testou no canto oposto de Luiz, abrindo a conta no Scarpelli.

O time paulista também ia se valendo desse recurso para deixar tudo igual apenas quatro minutos de saírem atrás na partida em bola onde Renan Fonseca ganhou dos marcadores e testou forte, mas o arqueiro Rodolfo Castro teve reflexo e espalmou para escanteio.

O QUE JÁ ESTAVA BOM...

O atacante Bruno Michel era, notoriamente, a principal válvula de escape para o sistema ofensivo Alvinegro com seus lances aproveitando o espaço nas costas da zaga do Oeste. Foi assim que o camisa 90 recebeu bom passe dentro da área e, ao ser derrubado por Sidimar, fez a arbitragem do alagoano Denis da Silva Ribeiro Serafim marcar o pênalti. Na batida, Dudu usou mais precisão do que força onde Luiz acertou o canto, mas não chegou na finalização que foi no extremo canto esquerdo.

DIMINUIU A DISTÂNCIA

Apesar da pouca variação na elaboração de jogadas, insistindo bastante com as bolas levantadas do lateral-esquerdo Salomão, fato é que o Rubrão passou a ser quem ditava as ações ofensivas após tomar o segundo gol. E, mais na base da insistência do que do merecimento, em nova bola parada vinda do lado esquerdo, Renan Fonseca teve a segunda chance onde, dessa vez, testou no chão e tirou todas as possibilidades de defesa para Rodolfo Castro aos 30 minutos.

EFICIÊNCIA FALOU MAIS ALTO

Foi usando de novo a sua bola parada que estava forte no compromisso diante do Oeste que o time catarinense marcou gol essencial para a gestão do marcador. Aos 17, Marquinho bateu escanteio da direita e o zagueiro Sidimar, que tinha cometido pênalti na etapa inicial, tocou contra a própria meta.

Com o Oeste já demonstrando claro abalo emocional diante da desvantagem que novamente cresceu no marcador, o time de Elano soube administrar a vitória que ainda foi enriquecida com o gol onde Diego Gonçalves não bateu tão bem, mas contou com uma ajuda considerável do arqueiro Luiz que foi mal para abafar a bola.

Lance!
Publicidade
Publicidade