0
Logo do Santos
Foto: terra

Santos

Santos encaminha acordo com Doyen para liquidar dívida de R$ 83 milhões

Valor de 23 milhões de euros referentes a empréstimos, dívidas contratuais e percentuais de jogadores deverá ser pago em três parcelas até o fim de 2019

17 out 2017
06h02
atualizado às 06h02
  • separator
  • comentários

Um dos maiores imbróglios do Santos nos últimos anos está próximo de chegar ao fim. Nos bastidores, se encaminha um acordo para liquidar uma dívida de 23 milhões de euros (R$ 83 milhões) com o fundo de investimentos maltês Doyen Sports, parceiro do clube nos anos de 2013 e 2014.

Leandro Damião foi a maior transação entre Doyen e Santos: empréstimo de R$ 42 milhões
Leandro Damião foi a maior transação entre Doyen e Santos: empréstimo de R$ 42 milhões
Foto: Ale Cabral/Lancepress! / LANCE!

O grupo de investimentos no futebol, que é gerenciado em um escritório em Londres, cobra o valor integral baseado em empréstimos, percentuais de jogadores e multas.

Se confirmado o acordo, transações referentes a 35% do atacante Geuvânio, 20% de Gabigol, 20% de Daniel Guedes, 50% de Felipe Anderson deixarão de ser discutidas na Justiça. Até então, as duas partes tinham uma demanda arbitral mediada no Centro de Arbitragem e Mediação (CAM).

No valor, também está incluído o empréstimo de R$ 42 milhões no fim de 2013 para o Santos comprar o atacante Leandro Damião, R$ 5,5 milhões para a compra de Lucas Lima, os quais não foram utilizados para a negociação, o que fez com que o Doyen tivesse que adquirir 80% dos direitos do meia.

A multa de de R$ 8 milhões que consta no contrato de Lucas Lima, caso não seja vendido até novembro deste ano, também seria perdoada assim que houver a assinatura do acordo.

As negociações foram feitas em Barcelona, na Espanha, e em Londres pelo menos três vezes pelo presidente santista Modesto Roma Júnior, junto do superintendente administrativo Osvaldo Ribeiro e de representantes do escritório de advocacia Bonassa Bucker.

Representando o Doyen Group, que engloba Doyen Sports, esteve, principalmente, Arif Arif, cazaque filho de um dos quatro irmãos fundadores do grupo e quem comanda os investimentos em futebol do fundo de investimentos.

A prioridade do grupo no momento é resgatar parte do dinheiro investido no Brasil, já que muitos dos investimentos no país não deram retorno, como foram os casos de Leandro Damião, Lucas Lima, Marcelo Cirino e Douglas Coutinho.

No caso dos dois atletas do Santos, era esperado que Leandro Damião fosse vendido por um valor superior ao de R$ 42 milhões até o fim de 2018. O mesmo era previsto com Lucas Lima que ao fim de 2017 não terá mais vínculo com o Doyen.

No acordo que está sendo feito, o Santos deverá pagar R$ 83 milhões em três parcelas anuais até o fim de 2019, ou seja, uma ainda neste ano.

Além da compra de Leandro Damião, a mais cara da história do Peixe, a venda de parte dos direitos de Daniel Guedes, Geuvânio e Gabigol no fim de 2014 gerou polêmica no clube. O motivo principal e contestado por conselheiros foi a legitimidade da transação, já que no estatuto do clube é proibida a compra e a venda de direitos econômicos três meses antes de uma eleição presidencial.

Nenhuma das partes confirmam a existência do acordo, devido ao sigilo das ações judiciais em andamento.

LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade