PUBLICIDADE

Roger Machado exalta elenco do Fluminense e constata após final do Carioca: 'Melhoramos com as trocas'

Técnico reconhece que Tricolor das Laranjeiras teve dois tempos distintos no 1 a 1 deste sábado, no jogo de ida, e faz mistério sobre time da próxima terça-feira pela Libertadores

15 mai 2021 23h58
| atualizado em 16/5/2021 às 02h04
ver comentários
Publicidade

O técnico Roger Machado avaliou o desempenho do Fluminense no empate em 1 a 1 com o Flamengo, na noite deste sábado, pelo jogo de ida da final do Campeonato Carioca. Em entrevista coletiva ao fim do confronto no Maracanã, o comandante tricolor reconheceu que a escalação inicial não rendeu como era esperado.

'Talvez a bola principal tenha ficado nos nossos pés', disse sobre chance desperdiçada por Luiz Henrique (FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)
'Talvez a bola principal tenha ficado nos nossos pés', disse sobre chance desperdiçada por Luiz Henrique (FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)
Foto: Lance!

- A busca pelo Biel no lugar no Luiz foi para tentar buscar espaços nas costas dos laterais do Flamengo, que tem uma característica de colocar muita gente à frente da linha da bola e tem um jogo apoiado pela característica de seus jogadores. A opção foi pela velocidade nas beiradas. O que não aconteceu bem foi que, ao retomar a bola, a gente ficou pouco tempo com a bola no pé - e destacou:

- Foram muitos erros técnicos nos primeiros 20 minutos. Erros técnicos e individuais que não permitiram que a gente tivesse o contra-ataque. O Flamengo tem essa virtude de ficar com a bola e rodar. A gente não conseguiu encaixar no primeiro tempo - completou.

Em seguida, Roger falou sobre o contraste dos dois tempos do Fluminense. Ele ainda lamentou a chance de gol perdida por Luiz Henrique.

- Foram dois tempos distintos: um tempo para o Flamengo que chegou ao seu gol e talvez pudesse ter feito o segundo gol em algum outro momento. Mas na segunda etapa a gente voltou diferente para melhor, conseguimos o nosso gol. E talvez a gente tenha tido a bola principal em nossos pés - disse, referindo-se à finalização desperdiçada por Luiz Henrique quando o jogo estava 1 a 1 e, em seguida, detalhou:

- Rogério (Ceni) e eu fazemos as estratégias e pensamos nas dificuldades que íamos enfrentar. As coisas não saíram como a gente imaginava, mas com as trocas, fomos melhores - completou.

Em relação a eventuais mudanças para o confronto com o Junior Barranquilla, na próxima terça-feira, pela Copa Libertadores, o técnico fez mistério.

- Tudo é possível. A gente alterna e vai pegando o melhor momento de cada jogador - frisou.

Lance!
Publicidade
Publicidade