0

Presidente do Flu critica reunião de rivais com Bolsonaro

Mário Bittencourt respondeu a uma declaração de Campello, mandatário do Vasco, que não queria se expor

24 mai 2020
22h34
atualizado em 25/5/2020 às 08h06
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) e os clubes que disputam o Campeonato Carioca se reuniram neste domingo com a prefeitura do Rio para debater a volta do futebol no Estado. Em entrevista ao Troca de Passes, do SporTV, o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, criticou o movimento de retorno

Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, falou novamente sobre o retorno do futebol (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)
Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, falou novamente sobre o retorno do futebol (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)
Foto: LANCE!

"A gente fez uma nota mais cedo explicando que não recebemos um convite oficial da prefeitura, mas que esse não é o motivo do nosso não comparecimento. Foi apenas para ilustrar que além de não concordamos com uma reunião neste momento, entendemos inadequada uma reunião para falar de futebol, forçar a volta do campeonato no momento que atingimos quatro mil mortes no Rio de Janeiro", disse Mário.

No sábado, o Rio de Janeiro bateu o recorde de mortes causadas pelo novo coronavírus, com 248 óbitos. Desde o início da pandemia o estado soma 37.912 casos e 3.993 mortes provocadas pelo vírus. Mário relembrou ainda uma reunião de Rodolfo Landim, do Flamengo, e Alexandre Campello, do Vasco, com o presidente Jair Bolsonaro em Brasília para debater o retorno das atividades no Rio.

"O presidente (Rodolfo) Landim, do Flamengo, e o (Alexandre) Campello, do Vasco, foram a Brasília em movimentos individuais deles. O Fluminense não sabia da ida e se soubesse não concordaria. Hoje o Campello disse que eu e o presidente do Botafogo não fomos à reunião pois não queríamos nos expor. Queria aproveitar para responder e dizer que na verdade não queremos expor nossos funcionários e atletas a um risco de contágio grande e eu também não quero me misturar a esse tipo de atitude que considero sem nenhum propósito. Um desrespeito. Temos várias pessoas que perderam as vidas para a COVID-19. Óbvio que quando voltar o futebol nós vamos continuar convivendo com o vírus até que tenha uma vacina", criticou.
Entre os pontos criticados pelo Fluminense está uma tentativa de mudança no regulamento do Carioca, que não pode existir sem um acordo coletivo. A convocação do arbitral da Ferj está marcada para esta segunda-feira. Mário garantiu que o Tricolor entrará com pedido de impugnação do edital divulgado pela federação.

"Esse edital fala de vários itens prevendo o retorno do campeonato e tenta alterar regras da competição, o que o Fluminense entende que é impossível de acontecer não só pela vedação do estatuto do torcedor, mas também pela falta de unanimidade, porque Fluminense e Botafogo não estão de acordo. O edital fala, por exemplo, em reduzir o intervalo de interjornada dos atletas para que possa jogar em um tempo menor. Isso sem o aval do sindicato e sem acordo coletivo é nulo. O Fluminense não entende que seja cabível qualquer tentativa de retorno simplesmente porque vamos passar uma ideia para toda a sociedade, especialmente no Rio de Janeiro, onde as pessoas estão cumprindo pouco a quarentena e o número de óbitos e de contaminados só cresce, entendemos que o futebol tem que ser exemplo", afirmou.

Um dos protocolos de retorno definidos pela prefeitura fala em "treino de fisioterapia com bola". O presidente do Fluminense rebateu a viabilidade de que as atividades obedeçam às regras.

"Essa nota (da prefeitura) fala em treino de fisioterapia com bola. Isso é para inglês ver. As pessoas vão treinar com bola, vão fazer coletivo, não vai ter ninguém filmando o CT. Fisioterapia com bola? Pelo amor de Deus. Está se ultrapassando todos os limites nesse momento. Não faço crítica pessoal a ninguém, mas não consigo conceber que o Brasil esteja lutando arduamente, especialmente o Rio de Janeiro, contra a pandemia e as mortes de mais de 20 mil pessoas e possamos sequer treinar", completou.

Veja também:

Editor do L! projeta duelos decisivos no Carioca e futebol europeu
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade