4 eventos ao vivo
Logo do Corinthians
Foto: Daniel Augusto Jr / Agência Corinthians

Corinthians

Para 'não estacionar', Fagner aprova busca do Corinthians por novo lateral

Titular da lateral direita do Corinthians pela quarta temporada consecutiva acredita que possível chegada de Cicinho pode fazê-lo evoluir. Durante ausência, dica é bem humorada

19 mai 2017
19h23
atualizado às 19h23
  • separator
  • comentários

Frequente na trajetória do técnico Tite pela Seleção Brasileira, o lateral-direito Fagner é titular do Corinthians há quatro temporadas consecutivas e jamais teve a condição ameaçada pelos cinco treinadores que passaram pelo clube neste período - inclusive o atual comandante da Seleção. Em 2017, porém, o Timão corre atrás de um novo jogador da posição, e o camisa 23 gosta da notícia porque pode ajudá-lo a sair da "zona de conforto".

A busca do Corinthians por um lateral-direito é motivada justamente pela frequência de convocações de Fagner em contraste com a oscilação dos jovens Léo Príncipe e Mantuan, que são opções do elenco no setor e atualmente, por curiosidade, se recuperam de lesão. O Timão busca Cicinho, do Ludogorets (BUL), uma opção mais experiente, que disputará com os dois jovens a condição de sombra de Fagner. Não para o próprio titular.

- Eu acho que isso fica muito por parte da imprensa, de rotular um jogador que está vindo para ser reserva. Se o Fagner deixar de trabalhar ele corre o risco de perder a condição, ninguém tem cadeira cativa. A concorrência é válida para evitar uma zona de conforto, procurar sempre evoluir, não estacionar e achar que está bom. E o atleta que vier será muito bem recebido por todos para que consiga nos ajudar e render - disse Fagner, referindo-se a si mesmo na terceira pessoa.

Como Cicinho, foco para a posição, só poderá se apresentar em junho, o Corinthians terá que se virar em caso de necessidade da ausência de Fagner. Alguns jogadores têm treinado na lateral, casos de Paulo Roberto e Camacho, mas o titular da posição tem um conselho para dar ao técnico Fábio Carille.

- Quando eu não puder jogar podiam chamar o Henrique - brincou Fagner, muito parecido fisicamente com seu filho de sete anos, antes de responder seriamente a pergunta.

- Não sei exatamente o que vai acontecer quando eu for, mas ainda temos duas semanas até lá, dá para o Fábio pensar em alguma coisa e o jogador que ele escolher dará conta do recado e temos que dar confiança. Às vezes é um sacrifício para o jogador ser improvisado, mas o que tiver que ser feito será para manter o padrão.

LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade