0

No Rei Pelé, CSA derrota o Brasil de Pelotas e vai à vice-liderança da Série B

Gols de Hugo Cabral e Didira ajudam o time alagoano a subir na tabela de classificação e abrir vantagem para os rivais na luta para manter-se no G4

23 out 2018
21h30
  • separator
  • 0
  • comentários

Em situações opostas no Campeonato Brasileiro da Série B, CSA e Brasil de Pelotas enfrentaram-se nesta terça-feira, pela 33ª rodada, no estádio Rei Pelé, em Maceió - Alagoas.

Reprodução Premiere
Reprodução Premiere
Foto: Lance!

O resultado fez com que o Azulão conseguisse subir para a segunda colocação, somando agora 56 pontos, secando agora Goiás e Avaí, que ainda jogarão na rodada, para segurar sua posição. O resultado negativo não alterou nada para o Xavante, que, por sua vez, manteve-se na 15ª colocação, com 37 pontos.

O JOGO

Logo nos primeiros dez minutos, o Brasil de Pelotas não intimidou-se e tentou fazer pressão no CSA. O time gaúcho conseguia ser mais efusivo nas ações, porém as tentativas de conseguir abrir o marcador não tiveram êxito.

Passado o momento de pressão por parte do Xavante, os alagoanos, aos poucos, conseguiram explorar mais o campo de ataque rival. No entanto, eram poucos os lances reais de perigo ao gol defendido por Marcelo Pitol.

Somente a partir dos 25 minutos que o confronto passou a ficar mais equilibrado. Com algumas chances criadas pelo Brasil, com Wallace Pernambuco e Welinton Júnior, e Didira por parte do CSA, ambos os goleiros passaram a ser mais exigidos, levantando a torcida nas arquibancadas.

Com o tempo passando, aos 44 minutos, o Azulão finalmente conseguiu inaugurar o marcador. Após troca de passes na entrada da área do time visitante, Rafinha, com espaço, arriscou o chute frontal e, contando com o desvio de Hugo Cabral, a trajetória da bola acabou traindo Pitol. 1 a 0.

Na volta para a segunda etapa, apenas o técnico Rogério Zimmermann resolveu mudar seu esquema tático inicial. Em uma troca de atacantes, Welinton Júnior deixou seu lugar para Lourency.

Diferente de como foi no primeiro tempo, o CSA, nos 10 minutos iniciais, passou a pressionar mais o Brasil. Buscando as laterais do campo, o time da casa insistia nas jogadas próximas à área visando aumentar a vantagem.

Até os 25 minutos, o panorama do confronto era basicamente igual. Com algumas substituições por parte do treinador Marcelo Cabo, colocando Juan e Neto Berola nos lugares de Daniel Costa e Walter, respectivamente, o Azulão tentava trocar passes na esperança do relógio 'andar' mais rápido.

Mas o Xavante parecia não sentir-se intimidado com o fato de estar atrás do placar. Sendo assim, partiu pra cima do rival buscando seu empate, mas Lourency e Wallace Pernambuco, em três oportunidades, lamentaram as chances desperdiçadas.

Na reta final do duelo, bem que o Brasil insistiu no empate, porém, foi surpreendido. Aos 44, Didira usou a velocidade para invadir a área do adversário e chutar forte, sem chances para o camisa 1 do clube gaúcho. 2 a 0.Com o placar definido, o CSA apenas administrou o tempo até o apito final do árbitro, fazendo com que a torcida azulina explodisse de felicidade por mais um feito de sua equipe na Segundona.

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade