1 evento ao vivo

MP pede bloqueio de bens para Figueirense honrar compromissos

MP pretende chegar no valor de R$ 9,6 milhões e acertar os salários atrasados de jogadores e funcionários do clube catarinense

23 ago 2019
19h05
atualizado às 19h15
  • separator
  • 0
  • comentários

O Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina pediu o bloqueio de bens de 12 réus (pessoas jurídicas e físicas) para chegar no valor de R$ 9,6 milhões e acertar os salários atrasados de jogadores e funcionários do Figueirense. Entre os investigados estão o atual mandatário Claudio Honigman, membros do Conselho de Administração, e também ex-presidentes, como Wilfredo Brillinger.

Elenco do Figueirense voltou a treinar nesta sexta-feira - Foto: Patrick Floriani/FFC
Elenco do Figueirense voltou a treinar nesta sexta-feira - Foto: Patrick Floriani/FFC
Foto: LANCE!

Apesar de aparecer na lista de réus, a assessoria do Figueirense nega que o clube tenha sido citado. Procurado pelo LANCE!, Cláudio Vernalha, primeiro mandatário do Figueira no período em que a "Elephant" passou a gerir o clube, falou sobre o fato de ter sido citado no processo. "Eu não estou sabendo desta ação. Saí do negócio em novembro, não sou mais nada da Elephant. Prefiro, inclusive, não opinar sobre este momento de turbulência."

Vernalha detalhou como estava o clube quando ele saiu do cargo. "Tinha acabado a Série B, e a gente tentava organizar. Herdamos muitas dívidas do Figueirense, estava muito difícil equacionar."

Em entrevista ao Lance!, o advogado Filipe Rino explicou os motivos do Ministério Público Trabalhista de Santa Catarina pedir o bloqueio de bens dos 12 réus, entre pessoas jurídicas e físicas.

"Os motivos que levaram o MP a investigar esses 12 réus é a gestão temerária do clube. Não é um processo criminal e sim trabalhista, para que respondam sobre seu patrimônio particular e expliquem essa gestão temerária do clube. Com isso, seria possível assegurar o pagamento das parcelas salariais vencidas e por vencer a todos seus empregados."

Confira a lista completa dos 12 réus:

Figueirense Futebol Clube (associação civil)

Luiz Fernando Philippi (presidente do Conselho Administrativo)

Nikolas Salvador Bottós (1º vice-presidente e membro do Conselho de Administração)

Jean Durieux (2º vice-Presidente e membro do Conselho de Administração)

Leonir Santini (3º vice-Presidente e membro do Conselho de Administração)

Décio Moritz (secretário-geral e membro do Conselho de Administração)

Figueirense Futebol Clube LTDA (pessoa jurídica)

Cláudio Honigman (diretor-presidente)

Wilfredo Brillinger (sócio do Figueirense)

Airton Manoel João (sócio do Figueirense)

Elephant Participações Societárias S/A

Cláudio Cesar Vernalha Abreu de Oliveira (acionista-administrador e sócio do Figueirense)

Veja também:

 

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade