PUBLICIDADE

Governo do Rio rechaça torcida no Maracanã na final da Liberta, mas libera 10% a convidados e estafes

Decreto assinado na quinta-feira pelo governador em exercício Cláudio Castro ratifica que Santos e Palmeiras terá 7,8 mil credenciados, que precisarão seguir protocolos

22 jan 2021 16h44
| atualizado às 17h00
ver comentários
Publicidade

A final da Copa Libertadores não terá presença de público. Um decreto do governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, publicado na edição de quinta-feira do Diário Oficial, ratificou que a partida entre Santos e Palmeiras, marcada para o dia 30 no Maracanã, será realizada com portões fechados. Contudo, 10% da capacidade do estádio foi liberada tanto para convidados credenciados quanto estafes dos clubes, dos patrocinadores e da Conmebol.

Decisão em Diário Oficial ratifica o que Conmebol havia definido (Foto: Alexandre Vidal / CRF)
Decisão em Diário Oficial ratifica o que Conmebol havia definido (Foto: Alexandre Vidal / CRF)
Foto: Lance!

Com isto, passa a ser permitido que 7,8 mil pessoas acompanhem das arquibancadas o confronto entre Santos e Palmeiras:

"O evento relativo à etapa final do Torneio Conmebol Libertadores 2020 não terá a presença de público pagante, sendo, no entanto, autorizada a presença de pessoas devidamente credenciadas pela entidade organizadora, inclusive integrantes da coordenação, realização, segurança e patrocínio do evento e das entidades esportivas participantes até o limite máximo de 10% da capacidade do estádio", disse.

A própria Conmebol confirmou no início de janeiro que a partida seria realizada com portões fechados por medidas de precaução em relação à escalada do novo coronavírus. O decreto ainda estabeleceu que os espectadores precisarão respeitar todos os protocolos.

Os principais são o exame PCR negativo com material coletado até cinco dias antes da partida, a checagem de temperatura corporal e o uso de máscara de proteção durante o tempo inteiro.

Lance!
Publicidade
Publicidade