0

Gabi Pessanha brilha na última etapa do Circuito Mineirinho de Jiu-Jitsu

Lutadora da Infight/MD, que vem conquistando competições internacionais na faixa-marrom, foi a principal destaque das superlutas do último evento da FJJD-Rio em 2018

3 dez 2018
20h06
  • separator
  • comentários

Por Yago Rédua

Para fechar com chave de ouro a temporada de 2018 do Circuito Mineirinho Brasil Open, a FJJD-Rio realizou a Taça Guanabara, com disputas do kids ao adulto, e a Taça Brasil Master na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, para definir os campeões do ranking e os vencedores para as passagens internacionais. Com um ótimo público presente, o evento, no sábado (1), teve a realização de grandes superlutas. Destaque para a faixa-marrom Gabi Pessanha que finalizou Patrícia Caiado (Soul Fighters).

Gabi Pessanha foi a destaque do evento que aconteceu no sábado (1) na Arena Carioca 1, no Rio (Foto: Flash Sport)
Gabi Pessanha foi a destaque do evento que aconteceu no sábado (1) na Arena Carioca 1, no Rio (Foto: Flash Sport)
Foto: Lance!

À TATAME, a lutadora da Infight/MD contou que não iria lutar, em busca de uma preparação para as próximas etapas do Grand Slam da UAEJJF. No entanto, a promessa do Jiu-Jitsu aceitou o desafio e brilhou na arena olímpica: - Eu não ia lutar, porque estou muito focada no Grand Slam da UAEJJF e não queria lutar. Mas, o Gavazza (presidente da FJJD-Rio) me pediu, o meu professor (Márcio de Deus) falou para eu lutar, mas disse que não ia me pressionar. Foi legal. Eu estava focada e foi muito bom - disse a casca-grossa.

Em um duelo de master, Osires Hunter (Top Brother) venceu Flávio Teixeira (3R JJ) por pontos. O faixa-preta analisou a luta, contou como se livrou da mão de vaca e enalteceu a proposta da FJJD-Rio de valorizar os lutadores experientes.

- A minha intenção quando ele pegou a omoplata era girar por baixo, mas ele acabou travando a mão. Eu estava tranquilo e estabilizei a posição. Eu acho importante (superlutas), porque a maioria das federações não fazem isso. O cara treina desde criança, vai crescendo, desenvolvendo e vira um master. As federações não valorizam os atletas mais velhos. Acho que o incentivo da FJJD-Rio é bom para todos nós - destacou Osiris.

Luiz Pedro (Equipe Gavazza) fez um dos melhores duelos das superlutas contra Rodrigo Lima (Game Fight). Em um confronto apertado, o lutador venceu por 3 a 0 nos pontos, mas precisou evitar por duas vezes o ataque do oponente.

- Fico feliz de ter feito uma luta boa. A última que eu fiz, meu adversário pulou no armlock voador, então, estava vacinado. Tentei imprimir o meu jogo, colocar um pouco de queda. Mas, ele é um cara bom de queda também, não deu muito espaço. Acabei achando um espaço para passar a guarda. No fim, ele deu um bote no pé, mas já estava seguro que não ia pegar - analisou.

Diversão com Festival Kids

O professor e faixa-preta Maurício Abreu comandou mais uma vez as atividades lúdicas do Festival Kids na Arena Carioca 1. A proposta da FJJD-Rio ganhou enorme projeção na temporada de 2018, inclusive, atingindo cada vez mais crianças ao longo das etapas.

PM é campeã no Jiu-Jitsu

No sábado pela manhã, também como parte do evento da FJJD-Rio, aconteceu a 1ª Copa de Jiu-Jitsu das Forças de Segurança. A Polícia Militar do Rio foi a campeã no quadro geral por equipes. Ainda no pódio ficou a Marinha do Brasil - Esquadra e o Corpo de Bombeiros.

Lance!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade