PUBLICIDADE

Contra a Inter de Limeira, Corinthians joga mais do que uma classificação no Campeonato Paulista

Ida para as quartas de final do Paulistão pode significar tranquilidade no clube, após início de temporada repleta de tensão

11 mai 2021 07h02
| atualizado às 07h02
ver comentários
Publicidade

Para o Corinthians, o duelo desta terça-feira (11), às 16h, contra a Inter de Limeira, na Neo Química Arena, em Itaquera, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, vale mais do que a classificação para ficar entre os quatro melhores times de São Paulo, em 2021, mas também a confirmação da retomada de uma boa fase e um respiro para uma sequência de temporada.

Corinthians busca engrenar na temproada 2021 (Foto: Rodrigo Coca/Ag.Corinthians)
Corinthians busca engrenar na temproada 2021 (Foto: Rodrigo Coca/Ag.Corinthians)
Foto: Lance!

Como os anos de 2020 e 2021 ficaram interligados esportivamente, por decorrência da pandemia do novo coronavírus, o Timão já trouxe um início de má fase da temporada passada, para esta. O clube que passou de virtual eliminado do Paulistão, no ano passado, e chegou até a decisão, sendo derrotado, nos pênaltis, pelo Palmeiras, oscilou no início do Brasileirão, viu o treinador Tiago Nunes ser demitido, passou a lutar contra o descenso, mas teve na chegada do novo comandante, Vagner Mancini, uma sobrevida.

O time que tinha como objetivo fugir do Z-4 começou a emplacar uma vitória atrás da outra, deixou para trás o perigo do descenso e passou a flertar com uma vaga na Libertadores. Contudo, o repertório corintiano com Mancini acabou se esgotando, e o Timão terminou a temporada passada sem o espaço na principal competição da América do Sul e jogando abaixo do que apresentou durante a boa sequência.

O Corinthians entrou neste ano esportivo já com cinco jogo sem vencer e acumulou mais dois. A pressão era grande, mas um período de cinco vitórias, quatro consecutivas, e um empate, em seis jogos, deu sobrevida para o, ainda criticado, Vagner Mancini, que vencia, mas não convencia. Isso porque o único não triunfo dessa sequência foi o empate em 1 a 1 contra o Retrô (PE), time da quarta divisão nacional, que foi amplamente superior ao clube do Parque São Jorge, na segunda fase da Copa do Brasil, e só foi eliminado pelos corintianos na disputa por pênaltis.

Pausa e retomada do futebol

Foram dezesseis dias de paralisação esportiva, por conta do agravamento do surto de Covid-19 no Brasil, e quando a bola voltou a rolar a sequência de praticamente um jogo a cada dois dias fez com que Mancini dividisse o time em dois e realizasse alguns testes. Os "aprovados", garantiriam a titularidade na estreia do Corinthians na Copa Sul-Americana, contra o River Plate (PAR), em Assunção, no dia 22 de abril.

Nesse período, alguns atletas então "escanteados", como Luan e Camacho, começaram a recuperar o seu futebol e arotos, como João Victor, Raul, Piton e Cauê começaram a pedir passagem.

Pela competição continental, dois péssimos resultados e classificação comprometida logo de cara, com o empate sem gols contra o lanterna do campeonato paraguaio, na estreia, e derrota por 2 a 0, em casa, para o principal oponente do grupo, o Peñarol (URU), na segunda rodada do grupo E.

O revés para os uruguaios levou a um protesto de uma das uniformizadas corintianas, a "Camisa 12", na porta do CT Joaquim Grava, na véspera do clássico contra o São Paulo, há duas semanas, onde cruzes foram colocadas no local com nome de alguns atletas e do técnico Vagner Mancini. Antes, a "Gaviões da Fiel", outra organizada do Timão, havia emitido uma nota pedindo a demissão do Treinador.

Mas, pelo que parece, o Majestoso foi um ponto de virada para o Corinthians na temporada. Mancini mudou o esquema tático, montando o seu time com três zagueiros, e foi melhor durante boa parte do duelo contra o Tricolor, no qual quase venceu, mas sofreu o empate em 2 a 2, após um pênalti convertido por Luciano no último minuto de jogo.

Após isso, vitória com propriedade, por 3 a 0, contra o Sport Huancayo (PER), pela terceira rodada do grupo E, da Sul-Americana. E, no último domingo, mesmo com o time reserva, triunfo por 2 a 1 sobre o Novorizontino, em Itaquera, jogando muito bem.

O reencontro com o bom futebol e uma campanha sólida no Paulista, onde o Corinthians teve a segunda melhor campanha da primeira fase e foi líder com sobras do grupo A, com sete vitórias, quatro empates e apenas uma derrota, além de ter mais chances de sucesso no Estadual do que no continental, faz do duelo contra a Inter de Limeira, algo fundamental para que a tranquilidade volte a pairar, ainda que momentaneamente, no Parque São Jorge.

Mesmo que na quinta-feira (13), o Timão encara o Peñarol, no Uruguai, precisando imprescindivelmente da vitória para se manter vivo na Sul-Americana, a tendência é de um time titular contra o Leão Limeirense, para só depois pensar no torneio internacional.

Chegar a quinta final consecutiva do Paulistão e conquistar o título pode dar ao Vagner Mancini o sustento de uma calmaria de trabalho próximo do início da terceira fase da Copa do Brasil e do próprio Campeonato Brasileiro.

Lance!
Publicidade
Publicidade