3 eventos ao vivo

Bate-Estaca comenta transição para o peso-mosca e celebra luta contra número 1 do ranking: 'Me aproxima do cinturão'

Ex-campeã peso-palha, Jessica Bate-Estaca analisa mudança para a categoria peso-mosca e destaca duelo, logo de cara, contra a número 1 do ranking; confira a entrevista:

14 out 2020
13h55
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Por Mateus Machado

Jessica Bate-Estaca vai enfrentar Chookagian em estreia nos moscas (Foto: Reprodução/Instagram/@jessicammapro)
Jessica Bate-Estaca vai enfrentar Chookagian em estreia nos moscas (Foto: Reprodução/Instagram/@jessicammapro)
Foto: Lance!

Ex-campeã peso-palha, Jessica Bate-Estaca vem com uma importante novidade para entrar em ação no card do UFC Fight Night 180, no próximo sábado (17), na "Ilha da Luta", em Abu Dhabi. Com derrotas para Rose Namajunas e Weili Zhang em suas últimas apresentações, a brasileira vai fazer sua estreia na divisão dos moscas dentro da organização e, logo de cara, terá pela frente a atual número 1 do ranking da categoria, Katlyn Chookagian, que vem embalada por três vitórias em suas últimas quatro apresentações no Ultimate.

A mudança, segundo a própria Jessica, não é definitiva. A lutadora, atualmente com 29 anos, deixou claro que seu futuro dentro do peso-mosca vai depender do combate diante de Chookagian. No entanto, o fato de já enfrentar uma oponente que vem de uma boa sequência de triunfos e está em primeiro lugar no ranking da categoria anima Bate-Estaca, que não escondeu seu sonho de, futuramente, se tornar campeã em uma outra divisão de peso. Em entrevista à TATAME, Jessica mostrou empolgação com o confronto e afirmou que sua intenção é "movimentar" o rumo da classe de peso.

- Eu não esperava menos do UFC, que me desse uma menina bem ranqueada. É uma adversária muito dura, a número 1 do ranking peso-mosca e eu estarei muito bem preparada. Uma luta contra ela já me coloca bem próxima de uma disputa de título na divisão. Acho que o UFC quer ver uma luta assim. Até agora, a Valentina Shevchenko lutou contra atletas mais técnicas, que não tem tanta agressividade, e ela se saiu bem contra todas elas. Acho que seria interessante essa luta para o UFC, então vou dar meu melhor para vencer, me tornar a número 1 do ranking peso-mosca, e ainda continuo sendo a número 2 no ranking peso-palha. Acho que estou fazendo história e vou tentar movimentar o rumo do peso-mosca - projetou.

Ao longo da conversa, a atleta da PRVT falou de sua preparação para a luta contra Katlyn Chookagian, deu detalhes de sua transição do peso-palha para o peso-mosca e externou sua intenção de, num futuro próximo, enfrentar Valentina Shevchenko, atual detentora do cinturão até 57kg.

Veja a entrevista na íntegra com Jessica Bate-Estaca:

- Preparação para o duelo contra Katlyn Chookagian

Venho me preparando para as lutas desde o começo do ano. Eu não parei, fiz um camp seguido do outro, não faz três meses da última luta para essa e eu não venho parando de treinar. A preparação para essa luta foi um pouco melhor, até por poder comer mais, fazer mais força, treinos mais pesados. Acho que melhorei bastante fisicamente, estou me sentindo muito forte nos treinos, nas pegadas e nos socos, é o que vou precisar nessa nova categoria. Acho que vai ser uma luta bem interessante e bem legal para os fãs assistirem.

- Como foi essa transição para a categoria peso-mosca?

Só a questão de se alimentar mais, não ter aquela preocupação com dieta, já fez uma grande diferença. Eu comecei a fazer uma dieta para perder peso 15 dias antes da luta, antes eu fazia três meses antes (risos), e estou muito bem, faltando pouco peso para perder até a pesagem. A gente também mudou nos treinos, estou treinando com atletas mais fortes, usar bastante o gás, mas é uma coisa que já estou acostumada, porque já lutei até mesmo no peso-galo, então não foi nenhuma surpresa essa subida para o peso-mosca.

- Pretende seguir na categoria peso-mosca ou vai retornar aos palhas em algum momento?

No momento estou flutuante, o que aparecer para mim estou lutando, tanto no peso-palha quanto no peso-mosca. Eu falo para o pessoal do UFC que sou uma lutadora versátil, onde precisarem de mim, vou estar lá. Não dou certeza de ficar no peso-mosca, porque ainda não lutei. O mestre até falou que se eu lutasse bem nessa categoria, eu faria mais lutas. É a forma de chegar mais rápido no cinturão. É uma coisa que eu já queria há muito tempo, desde que eu lutava no peso-palha, eu já queria ter a chance de enfrentar a Valentina Shevchenko (atual campeã), que é uma das lutadoras mais duras de todos os tempos, envolvendo todas as categorias. Acredito que ela seja a mulher a ser batida agora, como foi a Ronda Rousey há alguns anos. É uma luta que eu quero há muito tempo e se eu lutar bem no sábado, acredito que eu tenha a chance de disputar o cinturão futuramente, vamos aguardar. Depende muito do que vai acontecer no sábado.

- Estreia no peso-mosca já contra atleta número 1 do ranking

Eu não esperava menos do UFC, que me desse uma menina bem ranqueada. É uma adversária muito dura, a número 1 do ranking peso-mosca e eu estarei muito bem preparada. Uma luta contra ela já me coloca bem próxima de uma disputa de título na divisão. Acho que o UFC quer ver uma luta assim. Até agora, a Valentina Shevchenko lutou contra atletas mais técnicas, que não tem tanta agressividade, e ela se saiu bem contra todas elas. Acho que seria interessante essa luta para o UFC, então vou dar meu melhor para vencer, me tornar a número 1 do ranking peso-mosca, e ainda continuo sendo a número 2 no ranking peso-palha. Acho que estou fazendo história e vou tentar movimentar o rumo do peso-mosca, assim como fiz no peso-palha.

- Como você analisa esse duelo contra a Chookagian?

Ela tem um jogo de trabalhar chutes, soco na distância para marcar pontos. Ela gosta da trocação, mas gosta mais ainda de marcar pontos. Acho que a estratégia é não dar espaço para ela. Ela aceita chutes, então acho que é um caminho para chegar mais próximo de minar o gás dela para trabalhar a trocação e o chão. A estratégia mesmo é sair do ângulo dela, porque é uma atleta de envergadura grande, sair dos golpes dela, entrar, encurtar, colocar na grade para minar as forças dela. Quem sabe, trabalhar o chão também, porque ela aceita as quedas, já que tem boas finalizações. Acredito que o caminho para vencê-la seja esse. Não dar espaço, trabalhar chutes e ir desgastando, e se for para o chão, explorar o ground and pound, porque a partir do segundo round, acho que vou controlar a luta em todos os sentidos.

CARD COMPLETO:

UFC Fight Night 180

Ilha da Luta, em Abu Dhabi (EAU)

Sábado, 17 de outubro de 2020

Card principal (20h, horário de Brasília)

Peso-pena: Brian Ortega x Chan Sung Jung

Peso-mosca: Katlyn Chookagian x Jéssica Bate-Estaca

Peso-meio-pesado: Jimmy Crute x Modestas Bukauskas

Peso-pena: Thomas Almeida x Jonathan Martinez

Peso-meio-médio: Cláudio Hannibal x James Krause

Peso-leve: Mateusz Gamrot x Guram Kutateladze

Card preliminar (17h, horário de Brasília)

Peso-mosca: Poliana Botelho x Gillian Robertson

Peso-médio: Jun Yong Park x John Phillips

Peso-meio-pesado: Gadzhimurad Antigulov x Maxim Grishin

Peso-galo: Said Nurmagomedov x Mark Striegl

Peso-leve: Jamie Mullarkey x Fares Ziam

Veja também:

Confira a repercussão da morte de Maradona na Argentina e pelo mundo
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade