0

Atleticanos fazem campanha contra vinda de Cuca por estupro

A tag #cucanao foi um dos assuntos mais comentados no Twitter sobre o caso, ocorrido em Berna, na Suiça, quando o treinador era jogador do Grêmio

18 fev 2021
19h23
atualizado às 19h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Com a saída de Jorge Sampaoli quase se confirmando, o Atlético-MG trabalha para ter um substituto pronto, caso seja necessário. Renato Gaúcho é um dos cotados. Mas, o nome de Cuca, campeão da Libertadores de 2013 pelo time mineiro, também aparece como possiblidade.

Em fim de contrato no Santos, Cuca é um dos cotados para dirigir o Galo, mas sofre rejeição do torcedor por um caso de violência sexual contra uma menor de 13 anos-(Reprodução/Dugout)
Em fim de contrato no Santos, Cuca é um dos cotados para dirigir o Galo, mas sofre rejeição do torcedor por um caso de violência sexual contra uma menor de 13 anos-(Reprodução/Dugout)
Foto: Lance!

Todavia, o que parecia ser um consenso entre os torcedores alvinegros, a vinda de Cuca gerou um grande debate e até uma campanha nas redes sociais com direito a hashtag (#cucanao) pedindo para a diretoria não contratar o atual comandante do Santos, que irá deixar o time paulista no fim do Brasileirão.

Apesar de ter sido campeão e muito requisitado em anos anteriores, a rejeição ao treinador se dá por uma situação que virou caso policial em 1987, em Berna, na Suíça, quando era jogador do Grêmio. Naquele ano, uma garota de 13 anos acusou de estupro coletivo Alexi Stival (Cuca) e outros três jogadores do time gaúcho: Eduardo Hamester, Fernando Castoldi e Henrique Etges.

A acusação se transformou em condenação em 1989, mas não pode terem estuprado a jovem e sim porque ela tinha apenas 13 anos, sendo uma violência sexual contra pessoa vulnerável. Cuca e os demais jogadores do Grêmio foram condenados a 15 meses, mas nunca cumpriu a pena, pois o Brasil não extradita seus cidadãos e em 2004, o crime prescreveu.

Grupos de torcedores, incluindo várias torcedoras, se manifestaram contra a vinda de Cuca para o Atlético. A tag #CucaNão esteve entre os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter.

A Grupa, um coletivo de mulheres torcedoras do Atlético-MG, publicou um manifesto com posicionamento contrário à volta de Cuca ao clube mineiro.

"Trazer Cuca de volta ao Galo significa ignorar a violência sofrida por mulheres, inclusive torcedoras do clube e aflorar gatilhos e sentimentos que gostariam de esquecer ou até mesmo sepultar", dizia o texto.

Cuca preferiu não falar a respeito do tema quando a notícia se tornou pública novamente depois de 31 anos.

Caso Villa e #cucasim

Recentemente, uma outra mobilização dos torcedores do Atlético foi vista contra a vinda de outro nome do futebol, ligado a violência contra a mulher. Sebastián Villa, atacante do Boca Juniors, estava a caminho do clube alvinegro, mas uma acusação de agressão contra sua ex-companheira, Daniela Cortés, levou a uma rejeição dos atleticanos que fez a diretoria desistir do negócio.

Porém, há defensores de Cuca entre os alvinegros, que tentam emplacar a tag #cucasim, pensando no histórico vencedor do técnico pelo time mineiro. Mas, o movimento a favor do treinador não ganhou repercussão.

Veja também:

Qual foi a melhor? LANCE! lista 40 duplas ofensivas dos clubes brasileiros
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade