PUBLICIDADE

Velocista de Belarus chega à Polônia após se recusar a voltar para casa

4 ago 2021 09h20
| atualizado às 20h05
ver comentários
Publicidade

A velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya refugiou-se na Polônia nesta quarta-feira depois de se recusar a retornar ao seu país vinda das Olimpíadas de Tóquio, em uma saga que lembra as deserções esportivas da Guerra Fria.

Krystsina Tsimanouskaya no aeroporto de Narita 
 4/8/2021   REUTERS/Issei Kato
Krystsina Tsimanouskaya no aeroporto de Narita 4/8/2021 REUTERS/Issei Kato
Foto: Reuters

O caso envolvendo a atleta de 24 anos pode isolar ainda mais Belarus, que está sob sanções financeiras e econômicas do Ocidente após o recrudescimento da repressão do presidente Alexander Lukashenko contra a oposição desde o ano passado.

Depois de passar duas noites na embaixada da Polônia, a velocista de 24 anos entrou no avião no aeroporto de Narita usando óculos de sol decorados com as palavras "EU CORRO LIMPA" rumo a Viena.

Inicialmente, ela pegaria um voo para Varsóvia. Um porta-voz do governo polonês disse que na última hora ela optou por um voo com destino à capital da Áustria por temer por sua privacidade e segurança depois que a notícia sobre seu plano veio a público e repórteres reservaram assentos no voo.

As preocupações são particularmente grandes devido a um incidente ocorrido em maio, quando um avião da Ryanair foi forçado a pousar em Belarus e um jornalista dissidente foi preso, disse a fonte polonesa.

De Viena, ela foi para Varsóvia. A Polônia, que há muito tempo critica Lukashenko e abriga muitos ativistas de Belarus, concedeu a ela e a seu marido vistos humanitários.

A corredora causou um incidente diplomático no domingo, quando disse que seus treinadores abreviaram sua participação nos Jogos de Tóquio, exigindo que ela fizesse as malas na Vila Olímpica e levando-a ao aeroporto contra sua vontade por ela tê-los criticado publicamente.

Ela se recusou a embarcar no voo e pediu proteção da polícia japonesa.

"Não voltarei a Belarus", disse ela à Reuters na ocasião.

O Comitê Olímpico Nacional de Belarus informou que os treinadores decidiram retirar a atleta dos Jogos seguindo conselho de médicos a respeito de seu estado emocional e psicológico.

Um porta-voz do Ministério do Interior de Belarus não foi encontrado para comentar sobre a segurança do voo de Tsimanouskaya. Autoridades do governo bielorrusso pouco disseram publicamente sobre o caso dela.

COI INVESTIGA

O Comitê Olímpico Internacional (COI) iniciou uma investigação sobre a alegação de Tsimanouskaya de que foi retirada da Vila Olímpica, e disse nesta quarta-feira que recebeu um relatório da equipe bielorrussa.

"O COI está montando uma comissão disciplinar para estabelecer os fatos deste caso e para ouvir as duas autoridades -Artur Shumak e Yuri Moisevich- que supostamente se envolveram neste incidente", disse o porta-voz do COI, Mark Adams.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acusou o regime do presidente bielorusso, Alexander Lukashenko, de intolerável "repressão transnacional" no assunto.

O incidente chamou a atenção para Belarus, onde a polícia reprimiu dissidentes após uma onda de protestos desencadeada por uma eleição no ano passado que, segundo a oposição, foi fraudada para manter Lukashenko no poder.

Autoridades bielorrussas caracterizaram os manifestantes antigovernamentais como criminosos ou revolucionários violentos apoiados pelo Ocidente e descreveram as ações de suas próprias agências de segurança como apropriadas e necessárias.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade