PUBLICIDADE

Dani Alves admite 'pedaço do coração' na Espanha, mas frisa orgulho de defender Brasil na final

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (5), camisa 13 ressalta prazer de enfrentar espanhóis e exige que atletas 'desfrutem momento' de disputar decisão da Olimpíada

5 ago 2021 10h52
ver comentários
Publicidade

Voltar a defender a Seleção Brasileira em uma final contra a Espanha é visto como um privilégio por Dani Alves. Em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira (5), o lateral-direito da equipe olímpica não escondeu seu carinho pelo país no qual construiu sua carreira e reconheceu que o confronto deste sábado, às 8h30 (de Brasília), terá um sabor especial.

'É um momento especial e momentos especiais você precisa se preparar bem', disse Dani Alves (Reprodução / CBF TV)
'É um momento especial e momentos especiais você precisa se preparar bem', disse Dani Alves (Reprodução / CBF TV)
Foto: Lance!

- Para mim, de verdade, poder enfrentá-los é um grande prazer, uma grande honra. Estava até brincando com a galera, eu tenho um pedacinho do coração na Espanha, minha segunda nacionalidade é espanhola. Poder enfrentá-los por tudo o que vivi lá na minha carreira e como pessoa, é muito especial. Tenho um carinho e um amor especial por esse país - disse.

No entanto, o camisa 13 fez questão de destacar.

- Claro que na hora a gente esquece os vínculos, a gente se preparou para chegar, executar. Esse é o nosso intuito de preparação, sabemos que a Espanha tem uma qualidade especial, pude comprovar isso. Mas estou representando minha pátria-mãe, temos que estar preparados, pois vai ser um dia especial por se tratar de uma final olímpica, por ter essa confiança por parte do grupo. Espero que a gente se prepare bem - afirmou.

O lateral-direito falou sobre o reencontro com o coordenador da base, Branco. O tetracampeão mundial ocupava o cargo na CBF em 2003, quando Daniel Alves conquistou o Mundial Sub-20 em 2003.

- Encontrar pessoas com o astral e a seriedade que ele tem pelo trabalho, o valor que ele dá ao grupo, é muito prazeroso, ainda mais aqui na seleção, trabalhando e não de férias, como já aconteceu. É muito mais especial e gostoso. Nós nos criamos aqui dentro também, aqui nos deu uma estabilidade grande no cenário. Ele sabe o respeito e o carinho que eu tenho por ele. Mas é outro momento, são quase 20 anos daquele feito que conseguimos com outros companheiros - disse, ressaltando:

- São jogadores diferentes, histórias diferentes, outra geração, por mais que ainda haja alguns "roqueiros", que são difíceis de morrer. Mas no contexto geral é outra época - completou.

O veterano jogador contou o que torna a final olímpica mais saborosa.

- A paixão, a gana, a vontade de fazer grandes coisas no futebol é muito grande, torna esse jogo especial, o adversário torna esse jogo especial, o momento torna esse jogo especial. Precisamos encarar dessa maneira e desfrutar. Não serão muitos os que estão aqui e poderão jogar outra Olimpíada. É um momento especial e momentos especiais você precisa se preparar bem, viver com muita intensidade, porque eles não voltam. A nossa ideia é colocar tudo o que temos na alma, no coração e na mente nesse grande dia - disse.

Lance!
Publicidade
Publicidade