0

Jogadores do Miami Dolphins voltam a protestar durante hino na NFL

10 ago 2018
12h02
  • separator
  • comentários

A NFL (Liga de Futebol Americano) voltou e com ela retornaram também os já comuns protestos de parte dos atletas contra as diferenças raciais e sociais nos Estados Unidos. Na última quinta-feira, Miami Dolphins e Tampa Bay Buccaneers entraram em campo pela semana um da pré-temporada e o momento do hino nacional foi marcado pelo protesto de três atletas da franquia de Miami: Kenny Stills, Albert Wilson e Robert Quinn.

Enquanto os dois recebedores se ajoelharam à beira do gramado, Quinn, que atua na defesa, optou por levantar o punho direito. As manifestações tem se tornado comum nos últimos anos durante o hino antes das partidas e um dos líderes do movimento, o quarterback Colin Kaepernick, hoje sem time, foi um dos primeiros a declarar apoio aos três atletas pela atitude.

"Meu irmão Kenny Stills continuou seu protesto contra a opressão sistêmica nesta noite se ajoelhando. Albert Wilson se juntou a ele e repetiu o ato. Se mantenham firmes irmãos", escreveu Kaepernick.

Após a partida, os atletas comentaram sobre a atitude e ressaltaram a dificuldade em executar qualquer protesto pela pressão que existe da NFL e do próprio país, se referindo ao presidente Donald Trump. Porém, afirmaram ser uma luta da qual não irão abrir mão.

"Como um homem negro no mundo, eu tenho a obrigação de provocar a conscientização. Se ninguém quer viver em unidade, é por isso que estamos nessa situação", afirmou Quinn, corroborado por Stills. "Quando estou de joelhos, a maior parte do tempo estou orando. Graças a Deus que tive Albert perto de mim. Ser parte deste protesto não está sendo fácil. Eu achei que estaria sozinho nesta noite. Fico grato que ele queria fazer algo", ressaltou.

Os três jogadores envolvidos no confronto entre as franquias da Florida não foram os únicos a se manifestar. No jogo entre Seattle Seahawks e Jacksonville Jaguars e em outros da pré-temporada, atletas também atuaram em prol do movimento, mas realizaram da forma como é permitida pela comissão da liga, permanecendo nos vestiários durante o hino.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade