0

Algoz da Itália volta a decidir e põe Costa Rica nas quartas

29 jun 2014
20h11
  • separator
  • comentários

A Copa do Mundo de 2014 será inesquecível para Bryan Ruiz. O meia-atacante de 28 anos, que pertence ao Fulham e está emprestado ao PSV, já havia decidido contra a Itália, pelo Grupo D, ao fazer o gol da vitória por 1 a 0. Neste domingo, na mesma Arena Pernambuco, o capitão costarriquenho marcou novamente, desta vez contra a Grécia, pelas oitavas de final, e depois do empate por 1 a 1, converteu um dos pênaltis na decisão que leva o time da América Central pela primeira vez na história às quartas de um Mundial.

<p>Camisa 10 marcou o gol costarriquenho e converteu sua cobran&ccedil;a nos p&ecirc;naltis</p>
Camisa 10 marcou o gol costarriquenho e converteu sua cobrança nos pênaltis
Foto: Tony Gentile / Reuters

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

O melhor resultado até então havia sido conquistado na Copa de 1990, quando a Costa Rica também chegou às oitavas, mas acabou foi eliminada pela Checoslováquia. Desde então, a equipe da Concacaf havia chegado somente à fase de grupos, sendo eliminada em 2002 e 2006.

Para conquistar sua vaga, a Costa Rica contou novamente com a presença decisiva de Ruiz. Comparado a Thomaz Bellucci no Brasil por conta de sua aparência, o camisa 10 havia mostrado contra a Itália sua boa presença na área ao fazer o único gol da partida de cabeça depois de cruzamento de Junior Diaz.

Neste domingo, o capitão costarriquenho aproveitou o espaço conferido pela marcação grega para tirar o zero do placar. Aos 7min do segundo tempo, Ruiz aproveitou bola cruzada por Christian Bolaños e bateu da entrada da área no canto esquerdo do goleiro Orestis Karnezis, que não teve reação.

Com a vantagem no placar e um a menos em campo - Oscar Duarte foi expulso aos 21min -, o camisa 10 teve que abandonar sua vocação ofensiva e passou a contribuir somente para marcar e ajudar sua equipe a manter o resultado. O único homem que se mantinha além da linha da bola era Joel Campbell, responsável pelos raros contra-ataques que ocorreram.

Enquanto isso, na arquibancada a torcida costarriquenha se emocionava e gritava "si, se puede". Os gregos tentava de qualquer jeito quebrar a animação latina, mas tropeçavam em suas próprias limitações técnicas. Até que, aos 45min, Sokratis Papastathopoulos empatou a partida e levou o jogo à prorrogação.

O tempo extra foi duro para a Costa Rica, que estava cansada e precisou se defender durante a maior parte dos trinta minutos. Como a rede não foi balançada novamente, as penalidades foram necessárias. Ruiz foi responsável pelo segundo chute costarriquenho e acertou com firmeza. Pouco depois, o goleiro Keylor Navas defendeu cobrança de Gekas e garantiu que a lenda da América Central prosseguisse por mais tempo.

Ouça as principais músicas do Mundial:

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade