0

Vazado 4 vezes em 2018, Vanderlei aumenta coro por Ricardo Oliveira no Santos

Clube trabalha para repatriar o veterano atacante, que hoje defende o Atlético-MG

1 mai 2019
10h17
atualizado às 10h17
  • separator
  • comentários

O técnico Jorge Sampaoli e o presidente José Carlos Peres já manifestaram publicamente o desejo de contarem com Ricardo Oliveira no elenco do Santos. E o coro aumentou com a torcida por esse possibilidade de um jogador que conhece bem o poder de fazer gols do centroavante: o goleiro Vanderlei.

Após deixar o Santos ao fim da temporada 2017, Ricardo Oliveira se transferiu ao Atlético Mineiro. E o centroavante se destacou nos dois jogos que fez contra o antigo clube, tendo marcado quatro gols. Foram dois no triunfo atleticano por 3 a 1 em 12 de agosto, no Independência, e outros dois em 24 de novembro, no duelo em que o Santos ganhou por 3 a 2, na Vila Belmiro.

Questionado sobre a possibilidade de o Santos se reforçar com Ricardo Oliveira, Vanderlei assegurou torcer para que o "ídolo" acerte seu retorno ao time. "É um cara espetacular, um ídolo que acrescenta dentro e fora do campo. Torcemos, porque viria para somar. É difícil, faz grande trabalho no Atlético. Torcemos para que dê certo, será mais um grande jogador e fazendo o que mais sabe: gols", disse, em entrevista coletiva.

A negociação, porém, não é fácil, pois Ricardo Oliveira tem contrato com o Atlético-MG até 2020 e vem se destacando, com 35 gols marcados em 74 jogos pelo time. A queda precoce da equipe na fase de grupos da Libertadores, porém, dá esperanças ao Santos, que contou com o atacante no seu elenco em 2003 e de 2013 a 2015.

Enquanto não fecha a contratação de um centroavante, algo pedido por Sampaoli desde o início da temporada, o Santos vai se virando com outras opções do elenco, como Jean Mota, Derlis González e Eduardo Sasha, que estão se revezando como "falso 9". O último deles se destacou na estreia do time no Campeonato Brasileiro, a vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio, com um belo gol marcado em Porto Alegre, recebendo elogios de Vanderlei.

"Alguns times jogam com um 9, outros não. Depende da característica. Alguns times precisam, outros não. Depende do adversário. Temos que ter as opções para o treinador mudar ao longo do jogo. Contra o Grêmio, Sasha foi muito bem de 9. Esperamos que ele e outros peguem confiança. E que o 9 que vier faça um grande ano", afirmou.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade