PUBLICIDADE

Vasco aposta na torcida diante do Coritiba para seguir na caça ao G-4 da Série B

Equipe de Fernando Diniz está invicta há quatro jogos como mandante

16 out 2021 09h33
| atualizado às 09h33
ver comentários
Publicidade

Invicto há quatro jogos como mandante, o Vasco volta a contar com o apoio da torcida para parar o líder Coritiba, neste sábado, às 16h30, em São Januário, no Rio, pela 30ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, e seguir sonhando em alcançar a zona de acesso.

"O torcedor tem nos apoiado. Já foi bonito contra Cruzeiro e Goiás e sentimos o calor da torcida. Nos motiva. Estamos trabalhando muito para dar essa alegria à torcida", disse o lateral Zeca. O fato é que tanto Vasco quanto Coritiba buscarão a reabilitação. Derrotado pelo Sampaio Corrêa por 1 a 0, em São Luís, o time carioca parou na oitava colocação, com 43 pontos, a cinco do G-4. Apesar de ter sido atropelado pelo Cruzeiro por 3 a 0 em pleno Couto Pereira e sem vencer há três rodadas, o Coritiba se manteve na liderança, com 54 pontos, a seis do quinto colocado.

No Vasco, o técnico Fernando Diniz terá a volta do volante Andrey, recuperado de lesão muscular. Ele pode pegar a vaga de Bruno Gomes ou Gabriel Pec. Já o atacante Sarrafiore passou por uma cirurgia no joelho esquerdo por conta de um problema no ligamento cruzado e não joga mais nesta temporada.

"A nossa motivação é maior a cada jogo. Tem que aumentar a cada jogo. Aqui só falamos em acesso. O Fernando Diniz tem nos apoiado. Temos treinado e nos empenhado todos os dias para buscar a vitória", disse Zeca.

No Coritiba, o técnico Gustavo Morínigo ganhou a opção do atacante Waguininho, recuperado de lesão. Ele é vice-artilheiro do time, com seis gols na Série B. Os meio-campistas Val (dores musculares) e Matheus Sales (dores no joelho), por outro lado, são dúvidas. Se Val não atuar, Gustavo Bochecha deve ficar com a vaga. Já Sales era reserva.

"Temos uma campanha acertada, estamos em uma posição privilegiada. São nove finais e necessitamos que a torcida siga acreditando", disse Gustavo Morínigo.

Estadão
Publicidade
Publicidade