0

Ribamar minimiza confusão e Luxemburgo pede respeito ao Vasco após empate

'Clima esquenta, mas depois do jogo tudo volta ao normal', diz atacante que marcou o gol de empate da equipe nos acréscimos do segundo tempo

14 nov 2019
00h40
atualizado às 00h40
  • separator
  • 0
  • comentários

Herói do empate do Vasco por 4 a 4 com o Flamengo, o atacante Ribamar minimizou as declarações em tom de provocação de Bruno Henrique e a confusão ao apito final do árbitro, preferindo enaltecer o empenho do time cruzmaltino, que chegou ao quarto gol aos 47 minutos da etapa complementar, sendo marcado pelo atacante.

"Confusão normal. É clássico Vasco e Flamengo. O clima esquenta, mas depois do jogo tudo volta ao normal. Viemos fazer nosso jogo. Eles têm a característica deles e nós a nossa. Viemos jogar futebol", falou Ribamar.

O atacante ainda comentou a sensação de marcar o gol decisivo nos minutos finais. Ele rendeu um ponto importante para praticamente confirmar a permanência do Vasco no Campeonato Brasileiro. O time dirigido por Vanderlei Luxemburgo tem 43 pontos, contra 34 do Fluminense, o primeiro clube dentro da zona de rebaixamento.

"Sensação incrível. Equipe trabalhou bastante para esse jogo. Merecíamos a vitória, mas o empate foi bom. Temos que valorizar o ponto conquistado contra o Flamengo", finalizou o jogador, que foi acompanhado por Luxemburgo. Ele pediu respeito ao clube.

"Criamos uma estratégia para atacar o Flamengo. Exploramos a velocidade no campo deles. Quem achou que íamos nos defender, se enganou. A rivalidade Flamengo e Vasco existe há anos. Alguns jogadores do Fla se equivocaram ao dizer que já são campeões e que o Vasco não briga por nada. A escola do futebol é bonita, mas você precisa conhecê-la. Estamos brigando para não cair, mas estamos também lutando pela dignidade. Precisa respeitar a tradição do Vasco. Essa camisa tem história. Honramos o Vasco, como eles honram a deles. Precisa ter respeito", completou Luxemburgo.

DISCUSSÃO QUENTE

A discussão, após o apito final, começou quando Ribamar foi tirar satisfação com Pablo Mari. Rafinha tomou as dores e foi empurrado por Ricardo Graça. O tumulto se estendeu no caminho para os vestiários, mesmo após os técnicos esfriaram os ânimos de seus atletas dentro de campo. No túnel do Maracanã, Fellipe Bastos e Rafinha bateram boca e iniciaram uma nova confusão, mas, aparentemente, nada de mais grave ocorreu.

Após o duelo, o Vasco começa a se preparar para o confronto diante do Goiás, marcado para segunda-feira, às 20 horas, em São Januário.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade