1 evento ao vivo

Por que parou? São Paulo marca poucos gols no início do returno

Nas seis partidas da segunda metade do Brasileirão, líder balançou as redes apenas quatro vezes; saldo pode tirá-lo da ponta esta noite

17 set 2018
05h12
  • separator
  • comentários

O São Paulo reassumiu a liderança do Campeonato Brasileiro graças ao empate em 0 a 0 com o Santos, domingo, na Vila Belmiro. Não poderia haver forma mais simbólica de voltar, mesmo que provisoriamente, à ponta da tabela. A versão tricolor do returno vem deixando a desejar quando o assunto é fazer gols.

Nas seis partidas disputadas até aqui, foram apenas quatro, média de 0,66 por partida. Para efeito de comparação, o time virou o primeiro turno com 32 gols em 19 jogos (1,7 de média). Não à toa, a equipe era dona do segundo melhor ataque do torneio na ocasião, atrás apenas do Atlético-MG (36). Atualmente, já caiu para quarto na lista, empatado com o Flamengo.

Confira a sequência do returno:

16/9 - Santos 0 x 0 São Paulo

8/9 - São Paulo 1 x 0 Bahia

5/9 - Atlético-MG 1 x 0 São Paulo

2/9 - São Paulo 1 x 1 Fluminense

26/8 - São Paulo 1 x 0 Ceará

22/8 - Paraná 1 x 1 São Paulo

Quando conseguiu a incrível sequência pós-Copa que o catapultou à primeira posição do campeonato, o time de Diego Aguirre marcou 14 gols em sete jogos, média de dois por confronto. Veja como foi:

19/8 - São Paulo 2 x 0 Chapecoense

12/8 - Sport 1 x 3 São Paulo

5/8 - São Paulo 2 x 1 Vasco

29/7 - Cruzeiro 0 x 2 São Paulo

26/7 - Grêmio 2 x 1 São Paulo

21/7 - São Paulo 3 x 1 Corinthians

18/7 - Flamengo 0 x 1 São Paulo

Um fator importante para a queda de rendimento da equipe pode ser a ausência de Everton em praticamente quatro dos seis jogos do returno. Depois de jogar contra o Paraná, ele se machucou durante o duelo com o Ceará. Ficou três partidas afastado e voltou no clássico de domingo, quando jogou apenas o primeiro tempo. Além de ter cinco gols marcados na temporada, ele é o principal garçom da equipe, com seis passes para gol.

Mas mesmo os artilheiros do time vêm deixando a desejar. Até aqui, Diego Souza e Nenê, autores de 12 gols no ano, fizeram apenas um cada no segundo turno. O camisa 9 marcou contra o Bahia e o 10, diante do Paraná.

Depois do jogo contra o Santos, o próprio Aguirre admitiu que o time vem deixando a desejar lá na frente: "Nos faltou, na verdade, mais poder ofensivo e aproveitar os espaços que o Santos deixava".

Para permanecer na primeira posição da tabela, o São Paulo torce para que o Internacional perca da Chapecoense nesta segunda, às 20h, na Arena Condá. Qualquer empate já será suficiente aos gaúchos, justamente pela diferença de saldo de gols, atualmente desfavorável para os paulistas.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade