PUBLICIDADE

Palmeiras inicia reformulação com dispensa de veteranos e buscará reforços para o Mundial

Clube decidiu não renovar com Felipe Melo e Jailson e já iniciou planejamento para 2022

5 dez 2021 05h11
| atualizado às 20h22
ver comentários
Publicidade

Passadas as comemorações pelo tri da Libertadores, o Palmeiras começou antes do fim da temporada o planejamento para 2022. As saídas de Jailson e Felipe Melo, anunciadas no sábado, dia seguinte à festa pelo título continental, são os primeiros movimentos de uma reformulação que já está em curso. O clube optou por não renovar os contratos do goleiro e do volante e eles encerraram sua trajetória no time alviverde depois de sete e cinco anos, respectivamente.

Foram as duas primeiras decisões de Leila Pereira, presidente eleita que assume o posto oficialmente no próximo dia 15. A dona das empresas que patrocinam o Palmeiras lidera um processo de mudanças importantes no departamento de futebol, e isso inclui o elenco. Internamente, a empresária também está reformulando o departamento de marketing.

Quanto ao elenco, Leila já trabalha na busca de atletas de relevo especialmente de olho na disputa do Mundial de Clubes, no início de fevereiro. Nesta edição, a tendência é de que o Palmeiras chegue mais preparado a Abu Dabi pois terá um tempo maior para treinar e se concentrar na competição. Em fevereiro de 2020, com o calendário espremido em razão dos efeitos da pandemia de covid-19, a equipe de Abel Ferreira jogou o torneio na sequência da Libertadores. Os jogadores não descansaram e sentiram falta de uma preparação adequada. O time estreia no dia 8 de fevereiro de 2022. A reapresentação do elenco está marcada para 5 de janeiro.

Leila afirmou recentemente que a grande prioridade de sua gestão "é sempre lutar por um time vitorioso". A ideia é, após dois anos de austeridade financeira sob o comando de Maurício Galiotte, voltar a investir em contratações importantes.

Um centroavante, um lateral-direito e também uma opção para a zaga são as prioridades, mas outras posições também podem ser reforçadas. O clube deve novamente olhar para o mercado sul-americano devido a experiências bem-sucedidas com as contratações dos uruguaios Viña, hoje na Roma, e seu substituto, Piquerez. Nos países da América do Sul, há jogadores jovens e não tão caros.

Paralelamente à busca por reforços, existe a necessidade de definir o futuro de outros atletas, como Luiz Adriano, muito criticado pela torcida, e Lucas Lima, que retorna ao fim do Brasileirão de empréstimo do Fortaleza. Deyverson, o herói improvável do tri da Libertadores, tem contrato até junho de 2022 e seu futuro ainda é incerto. O empréstimo de Danilo Barbosa se encerra ao final deste mês de dezembro e é improvável que ele seja renovado. O atacante Willian tem vínculo até 2022, mas é desejado pelo Santos e pode ser emprestado.

Antes disso, a diretoria trabalha para convencer Abel Ferreira a permanecer. Ele disse estar em seu limite físico e mental e confessou precisar de uma "grande reflexão" com a família antes de definir seu futuro. Na festa da conquista do tri da Libertadores, o português acalmou a torcida ao indicar que pretende cumprir seu vínculo, com vigência até o fim de 2022. "Eu tenho contrato", falou o técnico, após ouvir um coro de "fica" dos torcedores presentes no evento em uma casa noturna de São Paulo.

Leila Pereira tenta convencer Abel Ferreira a ficar no Palmeiras
Leila Pereira tenta convencer Abel Ferreira a ficar no Palmeiras
Foto: Divulgação/Palmeiras / Estadão

O diretor Anderson Barros, muito elogiado por Abel, vai permanecer. Ele ganhou valorização em decorrência do título da Libertadores e terá a oportunidade iniciar o terceiro ano de trabalho no clube. O cartola é discreto, não usa whatsapp e é visto como a antítese de seu antecessor, Alexandre Mattos, conhecido pelas suas aparições midiáticas e gastar altas quantias em contratações. O vice de Leila, Paulo Buosi, único remanescente da gestão anterior, se tornou o principal nome no departamento de futebol. A transição ocorre já sem a participação direta de Galiotte.

Rival do Palmeiras na Libertadores, Flamengo estuda rejuvenescer elenco

Rival do Palmeiras na final da Libertadores, o Flamengo também deve ter mudanças importantes em 2022. A falta de títulos no segundo semestre deste ano deve trazer consequências para o departamento de futebol do clube carioca. E o setor mais atingido, claro, vai ser o grupo de jogadores. Os vices da Libertadores e do Brasileiro, além da eliminação na semifinal da Copa do Brasil, deixam claro que a retomada da conquista de taças passa pela renovação.

Vitorioso em 2019 e 2020, o plantel rubro-negro apresenta seis titulares acima dos 30 anos. Diego Alves, Isla, David Luiz, Filipe Luis, Everton Ribeiro e Bruno Henrique já ultrapassaram as três décadas. A lista aumenta se for levado em conta que Willian Arão entra para o clube dos trintões em março de 2022. Reserva de luxo, o polivalente Diego Ribas tem 36.

O setor defensivo é o que mais sofre com jogadores veteranos. Dos titulares, apenas Rodrigo Caio, 28, está abaixo dos 30 anos. Medalhão recém-chegado ao clube, David Luiz está com 34 anos. A diretoria estuda agora fazer uma passagem de bastão para atletas mais novos sem perder o status de equipe de ponta. Assim, uma busca cuidadosa vai ser feita no mercado para ajustar o grupo.

Entre os veteranos, alguns já tem nomes encaminhados. Após uma fase ruim, Hugo Souza, 22, voltou a ganhar chances no time titular e pode ser a alternativa para substituir Diego Alves, 36. No empate contra o Sport, ele deixou o campo como um dos destaques do empate de 1 a 1. Nas laterais, Matheuzinho, 21 anos, e Ramón, 20, aos poucos vão ganhando experiência na sombra do chileno Isla, 33, e de Filipe Luís, 36.

Em um ano muito abaixo, principalmente se for considerda a vitoriosa temporada de 2019, Everton Ribeiro, 32, pode ser uma valiosa moeda de troca para recompor o setor de criação. Na frente, prestes a completar 31 anos no final do mês, Bruno Henrique sofreu com lesões e teve seu rendimento prejudicado pela falta de sequência em momentos decisivos.

Mas a barca rubro-negra inclui atletas mais novos que não corresponderam. Entre eles, os zagueiros Bruno Viana e Léo Pereira. O atacante Kenedy é outro que pode fazer as malas em 2022 assim como Piris da Mota, pouco aproveitado.

Além dos atletas, outro ponto primordial está no comando. Apesar da indefinição quanto ao nome, uma coisa parece certa: o novo treinador deve mesmo ser estrangeiro. Se Jorge Jesus é o sonho de consumo da torcida, o argentino Marcelo Gallardo tem aprovação de muitos conselheiros. Carlos Carvalhal, técnico do Braga, é outro português que já teve o nome cogitado nos corredores do clube.

Enquanto a incerteza permanece, a pressão fica em cima de Marcos Braz. "Temos que ter calma e analisar tudo com tranquilidade. Tudo aqui no Flamengo é feito em cima de muito estudo e conversa", afirmou o dirigente que comanda o futebol do clube.

Estadão
Publicidade
Publicidade