2 eventos ao vivo

Neymar, Cristiano Ronaldo, Robinho: relembre acusações de estupro no futebol

Atacante da seleção brasileira foi acusado de ter estuprado uma mulher na França; outros jogadores tiveram seus nomes envolvidos em denúncias

3 jun 2019
11h28
atualizado às 11h31
  • separator
  • 0
  • comentários

Neymar é mais um grande nome do futebol a ter o seu nome envolvido em um crime grave. O atacante, que está treinando com a seleção brasileira para a disputa da Copa América, foi surpreendido na noite de sábado ao ser acusado por uma mulher de tê-la estuprado na França no último mês de maio.

Acusações de estupro, no entanto, não são novidade dentro das quatro linhas. Recentemente, o atacante Cristiano Ronaldo foi mais um a ser denunciado por uma mulher pelo crime sexual. Em março de 2018, a norte-americana Kathryn Mayorga afirmou, em entrevista ao diário alemão 'Der Spiegel', que o português teria forçado relações sexuais com ela em Las Vegas nove anos antes. O atleta negou ter cometido o crime.

Outro grande atacante com passagem pelo Real Madrid também foi acusado. Robinho, ex-Santos e atualmente no futebol turco, foi denunciado por uma mulher albanesa quando atuava pelo Milan, em 2013. Ela alegou ter sofrido um estupro coletivo em uma casa noturna em Milão. O brasileiro foi condenado a nove anos de prisão pela Justiça Italiana, mas recorreu e segue em liberdade enquanto o caso ainda está em curso.

O técnico do São Paulo, Cuca, teve o seu nome envolvido em uma acusação de estupro quando ainda era jogador profissional. Atuando pelo Grêmio em 1987, ele foi acusado de participar do estupro coletivo de uma adolescente de 14 anos na Suíça, onde o clube gaúcho participava de uma excursão. Ele e outros três colegas do elenco ficaram detidos por quase um mês.

Morto há algumas semanas, o ex-atacante Valdiram, com passagem pelo Vasco, foi outro atleta que cometeu o crime sexual. Em 2001, ele foi acusado de estupro por duas mulheres. As circunstâncias da sua morte, ocorrida em abril deste ano, ainda dão conta de que ele teria atacado sexualmente uma criança, e que foi assassinado em resposta. Ele teve problemas com álcool, drogas e o vício em sexo depois que deixou o time cruzmaltino.

Outro atleta que viveu bons momentos no futebol carioca, Jobson foi acusado de ter abusado sexualmente de duas garotas menores de idade, que alegaram terem sido alcoolizadas e abusadas. O atacante, que viveu a melhor fase da carreira no Botafogo entre 2009 e 2015 e teve sérios problemas com drogas, foi condenado e chegou a ser preso em junho de 2016, sendo solto três meses depois.

Outro atacante brasileiro foi acusado de estupro no futebol francês. O centroavante Brandão, com passagens por São Caetano e Grêmio, foi preso após denúncia de uma mulher quando atuava no Olympique de Marselha, em 2011. Um ano depois, a polícia viu inconsistências na denúncia e retirou a acusação.

No futebol italiano, outro brasileiro estampou as páginas policiais. O meia-atacante Mancini, com passagens por Atlético-MG e São Caetano, foi condenado pela justiça do país por ter estuprado uma modelo brasileira em 2011, quando jogava na Inter de Milão, após uma festa dada por Ronaldinho Gaúcho. O jogador, que teve o melhor momento da carreira na Roma, afirmou na época que foi vítima de extorsão.

Outro ex-atleta do Atlético-MG, o meia-atacante Danilinho também teria cometido o ato sexual contra uma menor de idade. Em 2013, ele foi acusado por uma mulher de tê-la violentado quando ainda tinha 17 anos. Ele teria, ainda, acusado a jovem de morte. Depois, negou as acusações e disse que sofria 'chantagem'.

ENTENDA O CASO DE NEYMAR

O jogador do Paris Saint-Germain teria recebido a mulher em Paris entre os dias 10 e 17 de maio. Os dois estariam em contato por semanas antes do encontro, que, de acordo com a vítima, se deu em um hotel da capital francesa, e que o jogador estava embriagado quando teve relações sexuais com ela contra a sua vontade.

Neymar, por sua vez, defendeu-se das acusações com um vídeo na noite de sábado, onde publicou fotos íntimas da moça e prints da conversa que teve com ela. O seu pai, Neymar da Silva, foi à TV defender o filho e afirmou ter sido vítima de extorsão por um possível representante da mulher.

Ele segue treinando com a seleção brasileira para a disputa da Copa América, que começa no próximo dia 14.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade