0

Mbappé sai do banco, faz dois e salva França de vexame contra Islândia

11 out 2018
18h10
atualizado às 18h21
  • separator
  • comentários

Foi no sufoco, mas a França conseguiu evitar o que seria um vexame nesta quinta-feira jogando diante de sua torcida. No Estádio du Roudourou, em Guingamp, os atuais campeões mundiais foram surpreendidos e viram a Islândia abrir 2 a 0 no amistoso. Porém, inicialmente no banco, Kylian Mbappé entrou em ação no segundo tempo e resolveu, conseguindo evitar, com dois gols, uma derrota. Com um tento de pênalti nos últimos minutos, o camisa 10 garantiu o empate por 2 a 2.

Os primeiros 45 minutos em Guingamp foram de momentos e intensidade extremas. Após um início muito tímido das duas equipes no quesito chances de gols, a segunda parte foi de maior empolgação, principalmente depois que Bjarnasson abriu o placar para Islândia. Atrás no marcador, os atuais campeões mundiais esboçaram uma reação, mas não obtiveram sucesso para o empate na etapa inicial.

O início do segundo tempo foi quase que uma continuação do fim do primeiro, com a França tomando a iniciativa e chegando com muito perigo. Porém, quem ampliou a vantagem foi a Islândia, dessa vez com Árnason, que subiu mais que a defesa da casa. Com dois gols atrás no placar, os atuais campeões mundiais foram ainda mais incisivos em busca do resultado e chegaram a balançar as redes três vezes com Mbappé. Porém, apenas dois foram validados e o resultado final foi de empate: 2 a 2.

Agora, os atuais campeões mundiais terão poucos dias para descansar, já que na próxima terça-feira (16), voltam a campo para um duelo com a Alemanha, pela Liga das Nações. A partida acontece no Stade de France, em Saint-Denis. Já a Islândia terá um compromisso na próxima segunda (15), também pela Liga das Nações, contra a Suíça.

O JOGO

Início morno e Islândia precisa para abrir o placar

Os primeiros minutos do duelo em Guingamp foram de pouca ambição ofensiva dos dois lados. Enquanto os franceses dominavam a posse de bola, mas pouco agrediam a meta de Runársson, a Islândia apostava nos contra-ataques e na ligação direta para tentar assustar Lloris, que trabalhou pela primeira vez aos seis minutos e logo em seguida, aos oito, foi testado efetivamente defendendo o chute de Fingobasson em dois tempos.

Aos poucos, os atuais campeões mundiais passaram a transformar a posse de bola em chances reais de gols, mesmo que de forma tímida. A primeira chance foi aos 17 minutos, quando o lateral-esquerdo Digne chegou à linha de fundo e cruzou na cabeça de Griezmann, que testou firme, como manda o figurino, e tirou tinta da trave.

Na mesma proporção que a França começou a assustar com mais frequência, a Islândia seguiu apostando nos contra-ataques, efetuados com cada vez mais perigo em busca de uma estocada definitiva, e nas bolas alçadas na área. Em uma dessas chances, Gudmundssson cabeceou para grande defesa de Lloris.

De tanto assustar, a Islândia conseguiu abrir o placar. Aos 29 minutos, os visitantes encaixaram um ótimo contra-ataque após vacilo de Kimpembe, que Finnbogaso aproveitou para avançar pelo lado direito e apenas rolar para Bjarnasson. O camisa oito finalizou com precisão no canto esquerdo sem muitas chances para Lloris, grande destaque francês até então.

França acorda com o gol sofrido, deixa Islândia acuada, mas sofre com contra-ataque

O gol da Islândia acordou os atuais campeões mundiais, que começaram a blitz pelo empate. Primeiro, aos 33 minutos, Dembélé recebeu grande passe de Griezmann e ficou cara a cara com Runársson. O arqueiro, porém, cresceu sobre o atacante do Barcelona e fez ótima defesa. Na sequência, o camisa sete e principal destaque do Atlético de Madrid tentou surpreender em cobrança de falta, mas mandou por cima do gol.

Apesar de ter acuado, a pressão francesa não surtiu efeito sobre o sistema defensivo islandês. Pelo contrário, foram os visitantes que chegaram com grande perigo mesmo na frente do placar e obrigaram Lloris a operar um verdadeiro milagre. Aos 36 minutos, após cobrança de escanteio, Sigurdsson subiu mais alto que a zaga e obrigou a primeira intervenção do francês. No rebote, Bjarnason finalizou para outra grande defesa do arqueiro. A terceira e salvadora defesa também aconteceu, mas Finnbogason estava em posição irregular.

Pressão francesa, mas gol da Islândia, que aumentou a vantagem

Assim como na reta final da primeira etapa, a França voltou para o segundo tempo disposta a empatar a partida. Para isso, apostou no talento de seus atacantes, principalmente de Griezmann e Thauvin. Logo aos seis minutos, o jovem do Olympique de Marselha fez tudo certo, limpou a jogada pelo lado do campo e trouxe para o meio batendo com muita categoria. A bola, porém, passou por cima, mas muito perto do gol. Em seguida, o camisa sete tentou de cabeça, mas parou em Runársson.

Se a França não soube aproveitar as chances que teve, a Islândia seguiu efetiva em suas estocadas. Aos 12 minutos, Árnason ampliou o placar após cobrança de escanteio de G. Sigurdsson. O camisa 14 subiu mais que Kimpembe e testou com muita precisão a bola que, antes de morreu no fundo da rede, tocou o travessão de Lloris.

Mbappé entra, faz tudo sozinho e garante empate da França

A desvantagem por dois gols fez Didier Deschamps mudar substancialmente a equipe. Entre os substitutos, Kylian Mbappé, poupado, foi à campo, entrando na vaga de Griezmann. Nem o jovem, porém, conseguiu impedir o revés dos franceses. Aliás, foi Lloris que impediu um terceiro gol. O goleiro foi obrigado a fazer grande defesa após um erro na saída de bola de seus companheiros.

Depois de primeiros minutos de adaptação a partida, Mbappé começou sua exibição de gala. Aos 36 minutos, o camisa 10 recebeu nas costas da defesa, invadiu a área e marcou, mas foi assinalada sua posição irregular. No lance seguinte, o jovem foi novamente às redes, dessa vez sem problemas, e marcou após desvio na zaga islandesa.

Quando o revés parecia se confirmar, coube a Mbappé desequilibrar mais uma vez. Dessa vez, aos 44 minutos, o jovem mostrou personalidade e foi para a cobrança de pênalti após toque na mão da defesa da Islândia. Resultado: bola de um lado, goleiro do outro e 2 a 2 no placar.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade