6 eventos ao vivo

Jardine tem pior aproveitamento no São Paulo desde Doriva, em 2015

Quatro antecessores do atual treinador saíram do clube com performance superior

10 fev 2019
17h15
atualizado às 17h15
  • separator
  • comentários

A derrota de sábado por 1 a 0 para a Ponte Preta derrubou ainda mais o moral do São Paulo na temporada e foi especialmente ruim para o técnico André Jardine, muito ameaçado no cargo. Não à toa. Desde a passagem de Doriva pelo posto, em 2015, um treinador não tinha aproveitamento tão ruim à frente da equipe tricolor.

Somadas as cinco partidas em que dirigiu o time na reta final da última temporada com as nove em 2019 (entram na conta os dois amistosos pela Florida Cup), Jardine acumula quatro vitórias, dois empates e oito derrotas, o que representa 33,3% de aproveitamento, exatamente o mesmo desempenho obtido por Doriva nas sete partidas em que treinou a equipe em 2015 (duas vitórias, um empate e quatro derrotas).

Confira como foi o desempenho de cada treinador efetivo do São Paulo desde então:

Doriva: 7 jogos (33,3%)

Ricardo Gomes: 18 jogos (42,6%)

Rogério Ceni: 37 jogos (49,5%)

Dorival Júnior: 40 jogos (51,7%)

Diego Aguirr: 43 jogos (55,8%)

André Jardine: 14 jogos (33,3%)

Para ser mais justo, descontando as três partidas de 2018 nas quais Jardine ainda não havia sido efetivado (empate com o Grêmio, vitória sobre o Cruzeiro e derrota para o Vasco) e os dois amistosos da Florida Cup (derrotas para Ajax-HOL e Eintracht Frankfurt-ALE) deste ano, ainda assim a performance de Jardine não melhora muito: seriam nove partidas, com três vitórias, um empate e cinco derrotas, ou seja, aproveitamento de 37%.

A diretoria deve bancar o treinador ao menos até quarta-feira, quando o São Paulo enfrenta o Talleres-ARG, no Morumbi, pela segunda fase da Libertadores. Derrotado por 2 a 0 na Argentina, o clube brasileiro precisa, no mínimo, devolver o placar para levar a disputa às penalidades. Classificação direta, só com vitória por três gols de vantagem. Se for eliminado, dificilmente Jardine prosseguirá no comando.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade