0

Ídolo da Juve desabafa contra racismo e faz duras críticas a Bonucci

4 abr 2019
11h09
atualizado às 11h09
  • separator
  • comentários

A questão do racismo no futebol, mais uma vez, virou pauta no noticiário europeu. Após ofensas racistas da torcida do Cagliari ao atacante Moise Kean, em duelo na última terça-feira, o zagueiro Leonardo Bonucci (ambos da Juventus) se manifestou de maneira extremamente infeliz, dizendo que a culpa pelo incidente se dividia em "50% do jogador e 50% dos torcedores". A declaração gerou muita insatisfação no mundo da bola, na qual se inclui a do ídolo francês Lilian Thuram.

"É interessante. Ele diz basicamente o que muitas pessoas pensam: que pretos merecem o que acontece com eles. Ele dividiu a responsabilidade 50-50 entre torcedores e o Kean. O próprio companheiro de time diz que ele merece os gritos de macaco. A pergunta certa para se fazer ao Bonucci é: o que o Kean fez para merecer esses insultos? Ele não diz que os torcedores estão errados em agir desse jeito, mas que o jogador em parte tem culpa", afirmou, em entrevista concedida ao jornal Le Parisien. "A reação dele é tão violenta quanto os gritos de macaco. É igual quando uma jovem é estuprada, e as pessoas notam a maneira como ela estava vestida", completou.

Visualizar esta foto no Instagram.

The best way to respond to racism 🦍 #notoracism 🚫

Uma publicação compartilhada por K M B 9 🦍 (@moise_kean) em

O ex-jogador de Monaco, Barcelona e da própria Juve, campeão mundial com a França em 1998, também questiona as medidas tomadas, ou a falta delas, em relação ao assunto. Segundo ele, a iniciativa não tem de partir das autoridades que gerem o futebol, as quais se mostram passivas diante do problema. Mas sim dos atletas.

"O árbitro parou a partida? Alguma coisa foi feita? Isso vem acontecendo há anos. Todo mundo diz que vamos parar o jogo na próxima, mas isso não acontece. O futebol é um negócio, as autoridades do futebol não ligam e não podemos esperar nada delas. Se isso realmente os incomodasse, a partida seria parada. O time teria deixado o campo e nós teríamos encontrado uma solução", apontou. "Jogadores que não sofrem com racismo devem ser solidários. Saibam que jogadores de futebol estão sendo ofendidos em campo, e que essa violência está sendo transmitida para milhões de pessoas. Temos que acabar com isso", completou. 

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade