0

Ex-técnico revela vontade de Mbappé em jogar no Real Madrid

21 mai 2019
10h15
atualizado às 10h15
  • separator
  • 0
  • comentários

Em agosto de 2017, o Paris Saint-Germain concretizou uma das transferências mais caras da história do futebol, ao investir cerca de 180 milhões de euros (R$ 675 milhões na cotação da época) na contratação de Kylian Mbappé, então com 17 anos de idade e jogador do Monaco. A vontade do atacante, porém, não era bem essa e, de acordo com o então técnico parisiense Unai Emery, ele queria ir a qualquer custo ao Real Madrid.

"Na época, todos todos fizemos força para trazê-lo. Falei com ele e com seu pai, já que ele já tinha deixado claro que queria escolher o Real Madrid. Havia até mesmo a opção do Barcelona, mas conseguimos que ele viesse, apontando-lhe que se tratava de um projeto francês, embora o PSG também tenha apresentado vantagens econômicas", contou o atual treinador do Arsenal, em entrevista concedida no canal Cadena Ser, da Espanha.

Quase dois anos depois, Mbappé trocou o status de uma das principais revelações do futebol mundial para o de uma das maiores estrelas do esporte. São 59 gols marcados pelo PSG em 86 partidas disputadas, se tornando melhor jogador do Campeonato Francês e tricampeão nacional (se somado o título de 2017, com o Monaco). De quebra, o garoto ainda conquistou a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, com a seleção da França.

Unai Emery só trabalhou com Mbappé durante uma temporada, deixando o time do Parque dos Príncipes em junho de 2018. Um dos motivos para a saída do espanhol teria sido a relação desgastada com Neymar. Contudo, o técnico não deixa de ser elogioso ao brasileiro e, na hora de responder com qual dos dois astros escolheria para seu time, optou por ficar em cima do muro.

"Metade de cada um. Sinceramente, Neymar é impressionante, tem qualidades incríveis…", disse. "Neymar está em um momento de conquistas individuais. Mbappé está em um momento de desenvolvimento, é capaz de quebrar muitas barreiras e está fazendo isso. Neymar está no momento de romper com a equipe. Quando estava no PSG, ele era quem tinha mais capacidade de mudar os rumos de uma partida sozinho", completou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade