PUBLICIDADE

Federação Italiana abre portas a atletas afegãos refugiados

Presidente de entidade diz que jogadores perseguidos por "querer praticar o esporte mais bonito do mundo" terão refúgio no CT de Coverciano

24 ago 2021 15h53
| atualizado às 17h18
ver comentários
Publicidade

O presidente da Federação Italiana de Futebol (Figc, na sigla em italiano), Gabriele Gravina, anunciou nesta terça-feira que a entidade está pronta para receber jogadores afegãos que são perseguidos por "querer praticar o esporte mais bonito do mundo".

Gabriele Gravina, presidente da Figc, prometeu acolher jogadores afegãos refugiados
Gabriele Gravina, presidente da Figc, prometeu acolher jogadores afegãos refugiados
Foto: Reprodução/@figc.it

Em uma carta aberta ao jornal Tuttosport, Gravina garantiu que as instalações da Figc vão ser usadas para receber os atletas afegãos. "Desejo confirmar que a Figc está pronta para intervir, se oferecendo para receber jogadores e jogadoras. Estamos abalados e preocupados com o agravamento da crise no Afeganistão. Em todas as partes do planeta, ninguém deve ser proibido de chutar uma bola de futebol, ninguém pode ser privado do sonho de ser tornar jogador de futebol", escreveu.

O prefeito de Florença, Dario Nardella, elogiou a decisão de Gravina e comentou que vai auxiliar no processo. "Fiquei sabendo da disposição da Figc em receber jogadores refugiados afegãos no CT de Coverciano. Florença está ao lado de Gravina e faremos nossa parte para ajudar", disse Nardella.

A presidente da equipe feminina do Palermo, Cinzia Valenti, também revelou que vai abrir a possibilidade de receber uma jogadora afegã.

O grupo fundamentalista islâmico Talibã assumiu o comando do Afeganistão e suspendeu os voos civis de entrada e saída do país. Desde o dia 15 de agosto, cenas de desespero se repetem no aeroporto da capital Cabul.

Um dos casos mais marcantes foi a morte do jogador Zaki Anwari, de 19 anos, que atuava pela seleção afegã de base. Ele acabou sendo lançado de uma enorme altura ao se soltar do trem de pouso de um Boeing C-17 das Forças Armadas dos Estados Unidos. 
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade