1 evento ao vivo

Luis Enrique aponta favoritismo da Espanha na Eurocopa: 'Não vejo ninguém acima'

Seleção espanhola terminou as Eliminatórias da Eurocopa com a terceira melhor campanha no geral, com oito vitórias e dois empates

26 dez 2019
16h29
atualizado às 16h29
  • separator
  • 0
  • comentários

Na visão de Luis Enrique, não há nenhuma seleção superior à Espanha na Europa. Em entrevista ao site oficial da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF, na sigla em espanhol), publicada nesta quinta-feira, o treinador afirmou que considera que a sua equipe é a favorita para conquistar o título da Eurocopa de 2020.

"Não vejo ninguém acima de nós, especialmente se olharmos para a classificação (das Eliminatórias da Eurocopa)", afirmou Luis Enrique. "Temos que dar o papel de favorito à França, por ter vencido a Copa do Mundo, mas não é superior às outras cinco ou seis seleções que acredito que sejam as favoritas", acrescentou.

A Espanha terminou as Eliminatórias da Eurocopa com a terceira melhor campanha no geral. Foi líder do Grupo F, com 26 pontos, e se manteve invicta com oito vitórias e dois empates. Apenas Bélgica e Itália, que venceram todos os seus jogos, foram superiores.

"Não vamos nos esconder, gostamos de ser um dos favoritos, embora recentemente não fizemos nada nos últimos campeonatos ou fomos eliminados muito cedo. Todos nos colocam como favoritos e aceitamos esse papel. Será complicado, esperamos poder confirmar esse favoritismo com resultados", pontuou o treinador.

A sorteio da Eurocopa colocou a Espanha no Grupo E junto de Polônia e Suécia, além do vencedor do Grupo B da repescagem (Bósnia-Herzegovina, Eslováquia, Irlanda ou Irlanda do Norte).

Luis Enrique indicou que fará mudanças no time no campeonato europeu, uma vez que entende que a seleção está "em uma período de formação, de crescimento e de tentar novas coisas". Ele vai usar os amistosos contra Alemanha e Holanda, em março do ano que vem, para analisar em que posições pode mexer.

As alterações vêm na esteira de seu desentendimento com auxiliar-técnico Robert Moreno, que esteve no comando do time espanhol por cinco meses, enquanto o técnico permaneceu afastado para cuidar de sua filha Xana, que acabou falecendo. Luis Enrique demitiu Moreno, alegando que seu parceiro de trabalho foi "desleal" e demonstrou ter "ambição demais", uma vez que pediu para continuar na função até a Eurocopa.

"Uma das minhas poucas habilidades é que tenho bastante ânimo e ímpeto para tudo o que faço e, neste caso, foi um retorno muito desejado. Espero que minha volta seja boa e que possamos desfrutar de muitos sucessos esportivos. Eu realmente quero que 2020 apareça porque 2019 foi um ano ruim para mim e minha família e espero que 2020 seja muito melhor", declarou o técnico, que reassumiu o seu posto no mês passado.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade