PUBLICIDADE

Koeman admite frustração no mercado e crê que o Barcelona não está aos pés de rivais europeus

Técnico reconhece que clube catalão está patamar abaixo de adversários como Manchester City, Manchester United e Paris Saint-Germain

28 ago 2021 12h21
| atualizado às 12h21
ver comentários
Publicidade

Em uma das piores crises de sua história, a maré do Barcelona só piora quando comparado com alguns rivais europeus. E isso é bem claro dentro do próprio clube. O técnico Ronald Koeman reconheceu que os catalães são incapazes de competir com as novas aquisições de Manchester United, Manchester City e Paris Saint-Germain, que atualmente agitaram o mercado da bola com aquisições gigantes.

"Por um lado, eu entendo", disse Koeman quando perguntado sobre sua frustração no mercado da bola. "Para todos que querem o bem do clube, é frustrante. Eu compreendo isso. Por outro lado, nós temos de ser realistas. Economicamente, o clube não pode competir com outros, com Paris, City e United. É assim que é no atual momento". Para ter dimensão do buraco em que o time está, o presidente do clube, Joan Laporta, recentemente revelou que as dívidas da equipe chegam a 1,35 bilhões de euros.

O Barcelona acertou com Memphis Depay e Sergio Aguero, que chegaram em transações livres e já assumem o dever de repor a vaga deixada por Messi. Entretanto, por mais que os reforços tenham vindo de graça, limitações financeiras tem impedido o clube catalão de abrir os cofres, apesar da vontade de Koeman de reforçar seu elenco.

"Nós não conseguimos lidar hoje com as demandas que antes exigidas. Nós temos de entender o momento em que o clube está", admitiu Koeman.

O Paris Saint-Germain, por exemplo, tirou ninguém menos que Lionel Messi do próprio Barcelona, em uma negociação em que o clube espanhol não ganhou nada com a transação. A saída do astro argentino aconteceu pois a equipe não conseguiria pagar o devido valor estipulado pela La Liga. Os franceses ainda trouxeram o goleiro italiano Donnarumma, os defensores Sergio Ramos e Hakimi, além do volante Wijnaldum.

Na Inglaterra, o Manchester City, de Pep Guardiola, gastou aproximadamente R$ 724 milhões para tirar Jack Grealish do Aston Villa. O meia inglês também foi um dos destaques da última Eurocopa. O United repatriou ninguém menos que Cristiano Ronaldo, além de encaminhar as chegadas de Jadon Sancho e Raphael Varane.

Estadão
Publicidade
Publicidade