5 eventos ao vivo

Países europeus permitem abertura de arenas para torcedores e já avaliam expansão

Amistoso entre Brighton e Chelsea na Inglaterra teve fãs presentes como teste; na Rússia, estádio recebem 10% da capacidade

31 ago 2020
05h10
atualizado às 05h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Por enquanto distante da realidade brasileira, a presença de público nos jogos na Europa já é realidade. A Bielorrússia, por exemplo, não chegou a fechar os portões em nenhum momento e no fim do próximo mês a Uefa vai realizar a primeira partida internacional com espectadores. A disputa da Supercopa da Europa entre Bayern de Munique e Sevilla, em Budapeste, terá torcedores até no máximo 30% da capacidade do estádio.

No fim de semana anterior o governo inglês autorizou a presença de um público de 2,5 mil pessoas no amistoso entre Chelsea e Brighton como um teste. As pessoas precisaram sentar em locais previamente marcados e usar máscaras o tempo todo. Na França, a autorização é para ter no máximo cinco mil torcedores por vez. O Campeonato Alemão debate com autoridades locais voltar a abrir os estádios em novembro.

Em ligas menores, a autorização para reabrir os estádios veio há alguns meses. A Hungria liberou o público em maio, com a restrição de espaço de três assentos entre uma pessoa e outra. A Eslováquia teve o aval do governo em junho para receber somente 500 pessoas por jogo, número que a cada mês poderá ser ampliado de acordo com avaliação das autoridades médicas.

Na Rússia a torcida também se faz presente. O país permite que cada estádio receba 10% da capacidade. O atacante brasileiro Allef Andrade defende o Baltika Kaliningrad, da segunda divisão, e diz ser melhor jogar para poucas pessoas do que para cadeiras vazias. "Para quem joga é bem melhor ter os torcedores no estádio. É uma força a mais, um apoio a mais. Para mim é muito agradável ter torcida, nem que seja só 10%. Isso tem sido muito importante para nós", contou ao Estadão.

O time de Allef manda os jogos na moderna Arena Kaliningrado, construída para a Copa do Mundo de 2018. Ele é um dos artilheiros do time e afirma que, mesmo com os portões abertos, as pessoas têm conseguido frequentar o local com a devida segurança. "Tem funcionado de uma forma bem positiva. Os torcedores têm seguido os protocolos, como máscara, álcool em gel e distanciamento social. As pessoas respeitam bastante, porque querem ir ao estádio ver os jogos."

Veja também:

Newell’s Old Boys sonha com retorno de Messi
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade