PUBLICIDADE

Conmebol se diz contra a Copa do Mundo a cada dois anos

Confederação sul-americana de futebol diz em nota que os dez países-membros não participarão da Copa caso ela seja disputada de 2 em 2 anos

27 out 2021 16h58
| atualizado às 17h10
ver comentários
Publicidade

O plano da Fifa de realizar a Copa do Mundo a cada dois anos ganhou mais um empecilho. E, desta vez, a entidade máxima do futebol tem um grande adversário. Nesta quarta-feira, a Conmebol, confederação sul-americana, afirmou que é contra o Mundial bienal.

Em nota, a Conmebol afirmou que todos os dez países-membros não participarão da competição caso ela seja realizada no intervalo proposto pela Fifa.

"Não há motivos, benefícios ou justificativas para a mudança promovida pela Fifa. Diante disso, os dez países que integram a Conmebol confirmam que não participarão de uma Copa do Mundo organizada a cada dois anos.", disse a Conmebol.

Na última semana, a Fifa decidiu frear as conversas pelo Mundial bienal, segundo o presidente Gianni Infantino. Um novo debate será realizado só em dezembro. De acordo com a agência de notícias "AP", no entanto, caso a ideia seja aprovada, países europeus estão dispostos a boicotar a entidade máxima do futebol. A Federação Alemã já disse ser contra a ideia da Fifa.

Gianni Infantino, presidente da Fifa, e Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol (Foto: CARL DE SOUZA / AFP)
Gianni Infantino, presidente da Fifa, e Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol (Foto: CARL DE SOUZA / AFP)
Foto: Lance!

Segundo a entidade sul-americana, o projeto da Fifa "dá as costas a quase 100 anos de tradição" e "ignora a história de um dos eventos esportivos mais importantes do planeta".

"A Conmebol apoia a Copa do Mundo em vigor, com seus termos e sistemas de classificação, porque tem se mostrado um modelo de sucesso, baseado na excelência esportiva e que premia esforço, talento e trabalho planejado.", seguiu a Conmebol.

A ideia da Fifa gera debate no mundo todo e encontra apoiadores e vozes contrárias. Chefe de desenvolvimento global de futebol da Fifa, Arsène Wenger já disse ser a favor. A Adidas, uma das principais patrocinadoras da entidade, parceira desde 1970 e com contrato até 2030, porém, é contra.

Lance!
Publicidade
Publicidade