PUBLICIDADE

Arsène Wenger diz que Copa do Mundo de 2022 poderá ter máquina que marca lances de impedimento

Ex-treinador do Arsenal é o chefe de desenvolvimento global de futebol da Fifa e disse que tecnologia poderá ser mais uma vez inserida em uma Copa do Mundo

13 out 2021 17h41
ver comentários
Publicidade

Atual chefe de desenvolvimento global de futebol da Fifa, Arsène Wenger admitiu que a Copa do Mundo de 2022, no Qatar, poderá ter o auxílio da tecnologia na marcação de impedimentos. De acordo com o ex-treinador do Arsenal, a entidade trabalha na possibilidade de uma ferramenta que detecta os lances de fora de jogo de forma automática.

Arsène Wenger trabalha para a Fifa desde novembro de 2019 (Foto: VALERIANO DI DOMENICO / AFP)
Arsène Wenger trabalha para a Fifa desde novembro de 2019 (Foto: VALERIANO DI DOMENICO / AFP)
Foto: Lance!

De acordo com o francês, detalhes ainda não podem ser revelados, mas afirmou que a ferramenta pode ser "a próxima das grandes evoluções da arbitragem".

- Precisamos continuar avançando na velocidade da tomada de decisões, principalmente em lances de impedimento. Em 2022, na Copa do Mundo, seremos muito mais capazes de tomar decisões sobre impedimentos mais rápidas. Vai parar menos o jogo, algo de que o VAR pode ser considerado culpado - disse Arsène Wenger.

Um dos grandes entusiastas da ideia da Copa do Mundo ser realizada a cada dois anos, Wenger é um dos críticos ao VAR, o árbitro de vídeo, mas afirmou que é a favor da tecnologia.

- Percebemos nas partidas decisivas que o VAR foi capaz de evitar que decisões erradas fossem tomadas. Mas há coisas que ainda precisam ser aperfeiçoadas. VAR é um processo novo, e o nível dos profissionais pode não estar no nível dos árbitros, mas chegará em alguns anos. Há um problema porque requer muitas pessoas, é caro - disse o francês, que completou:

- O VAR é uma ajuda útil e deve permanecer para decisões mais justas. Antes, havia 93% de decisões justas, hoje são 97%. São centenas de decisões em um campeonato inteiro. É importante - finalizou.

Caso a mudança seja aprovada para o próximo Mundial, será a terceira vez seguida que uma Copa do Mundo apresentará o uso de uma nova tecnologia. Em 2014, no Brasil, a tecnologia da linha do gol foi usada, enquanto em 2018, na Rússia, o VAR foi utilizado pela primeira vez.

Lance!
Publicidade
Publicidade