2 eventos ao vivo

Governador anuncia que Flamengo e Fluminense vão gerir provisoriamente o Maracanã

Dupla ficará responsável pela administração do estádio pelos próximos seis meses, o acordo poderá ser prorrogado pelo mesmo período

5 abr 2019
13h49
atualizado às 13h51
  • separator
  • 0
  • comentários

O governo do Estado do Rio de Janeiro aceitou nesta sexta-feira a proposta conjunta apresentada por Flamengo e Fluminense e os dois clubes irão gerir provisoriamente o estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, pelos próximos seis meses. Ao final do prazo, o acordo poderá ser prorrogado pelo mesmo período.

O anúncio foi feito pelo governador Wilson Witzel (PSC) em um vídeo publicado em uma rede social. "Tenho a grata satisfação de anunciar que, após um processo transparente, um processo ético, o Maracanã está sendo devolvido ao futebol carioca", disse o político. "A proposta (vencedora foi) apresentada pelo Flamengo e pelo Fluminense. Terão 180 dias para administrar o estádio, prorrogáveis por mais 180 dias".

Estádio do Maracanã.
Estádio do Maracanã.
Foto: Divulgação / Estadão

Witzel ressaltou que o prazo se faz necessário para que seja conduzida uma nova licitação para conceder o Maracanã à iniciativa privada, em acordo que deverá durar 35 anos. O prazo será o mesmo estabelecido no processo de concessão vencido pelo Consórcio Maracanã em 2013 - e que foi rompido pelo governo estadual no mês passado.

A proposta apresentada por Flamengo e Fluminense ainda não foi tornada pública. Na quinta-feira, os presidentes dos dois clubes, Rodolfo Landim e Pedro Abad, foram ao Palácio Guanabara apresentar oficialmente o acordo, sem dar detalhes. Os cartolas asseguram, contudo, que a intenção é de que os quatro grandes clubes do Rio de Janeiro joguem no Maracanã, não apenas os dois.

Por coincidência, Flamengo e Fluminense se enfrentarão neste sábado, às 19 horas, no Maracanã, por uma das semifinais do Campeonato Carioca. A outra disputa por uma vaga na decisão será no domingo, às 16 horas, no mesmo estádio, entre Vasco e Bangu.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade