0

Ponte põe Guarani na roda e acaba com chances de ida do rival às quartas

16 mar 2019
20h58
atualizado às 21h18
  • separator
  • comentários

A Ponte Preta fez neste sábado o seu melhor jogo no Campeonato Paulista e, principalmente no segundo tempo, foi bastante superior ao rival Guarani, em partida disputa no estádio Moisés Lucarelli, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. Com gols de Thalles, de pênalti, Diego Renan e Gérson Magrão, a Macaca colocou o rival na roda na metade final do jogo e disparou 3 a 0.

O resultado, apesar de deixar radiante os alvinegros, determina o fim das aspirações de ambos os times no Estadual. Quarta melhor campanha geral do torneio, a Ponte deu azar de cair no mesmo grupo de Red Bull (24) e Santos (23), respectivamente melhor e segundo melhor do torneio até o momento, já inalcançáveis. O Bugre, por sua vez, estacionou nos 14 e não pode chegar mais aos 19 do Novorizontino, classificado para enfrentar o Palmeiras.

Na próxima e última rodada, os comandados de Jorginho terão pela frente uma visita ao Allianz Parque, local da partida contra o Palmeiras, na quarta-feira, às 21h30 (de Brasília). No mesmo dia e hora, o Bugre fecha sua participação na fase de grupos contra o Red Bull, em Campinas.

Intensidade e Ponte Preta superior

O primeiro tempo do Dérbi campineiro foi de muita intensidade no Moisés Lucarelli. Ainda que o gramado atrapalhasse um pouco devido a pequenas poças d'água formadas pela chuva que caíra duas horas antes do jogo, os dois times conseguiram mostrar um futebol competitivo dentro das quatro linhas, algumas vezes exagerando na força empreendida em desarmes e divididas.

Depois de o árbitro Raphael Claus, que distribuiu seis amarelos na etapa inicial, expulsar o auxiliar do Bugre, Coelho, e conversar com os técnicos para pedir mais controle das equipes, tudo melhorou. O jogo fluiu e o placar quase foi aberto quando Diego Cardoso aproveitou escanteio batido pelos visitantes, no lado esquerdo, e cabeceou na segunda trave, livre, mandando para fora do gol.

Os bugrinos, com a marcação encaixada, mais uma vez ameaçaram em chute de longe de Thiago Ribeiro, que acertou a rede lateral de Ivan. Quando a marcação do rival baixou, porém, a Macaca achou espaço para sair jogando e teve o controle dos 15 minutos finais. O time quase abriu o placar quando Thalles cruzou rasteiro e Matheus Oliveira foi travado por William Matheus.

A Macaca manteve a pressão e conseguiu chegar ao seu gol depois de lances polêmicos. Claus não viu Giaretta colocar a mão na bola, deixou o lance seguir e, um minuto depois, considerou que um desvio de Ricardinho com o braço foi legal. A bola sobrou para Edson, que se jogou quando Ferreira deu um carrinho. O juiz apontou a marca da cal e Thalles bateu forte, no canto direito. Giovanni tentou a defesa, mas não evitou o gol.

Olé da Macaca no Majestoso

Logo no primeiro lance de perigo da etapa final, a Macaca conseguiu um importante tento. Em rápido contra-ataque que começou pelo lado direito, Diego Renan aproveitou o espaço que surgiu na esquerda e recebeu. O lateral tentou chutar com a canhota, mas parou na poça d'água. O lance, porém, ajudou-o a driblar Léo Príncipe, complementando com um corte em Ferreira e um chute no canto direito, sem chances para Giovanni.

O gol deixou atordoado o Bugre, que não havia jogado tão mal para estar perdendo por 2 a 0 com quase um tempo inteiro de partida por jogar. O time passou a abusar da ligação direta para o ataque, deixando Anselmo Ramon sempre na disputa direta com a zaga adversária. A Macaca, bem armada, saiu sempre em velocidade no contra-ataque e ameaçou mais o rival do que foi ameaçada.

A Macaca passou a forçar na metade final do segundo tempo e não demorou a conseguir o terceiro tento. Depois de mais um contra-ataque puxado pela direita, o canhoto Matheus Oliveira acionou Gerson Magrão já dentro da área e viu o companheiro chutar forte, cruzado, mais uma vez sem chances de defesa para o arqueiro adversário.

Com o 3 a 0, o jogo foi praticamente narrado pela torcida da casa com "olé" e palmas a cada lance de habilidade da Macaca, além de pedidos por mais um gol. O quarto, aliás, quase veio em vacilo de Léo Príncipe, mas Thalles chegou atrasado após cruzamento de Júlio César e não conseguiu balançar a rede.

FICHA TÉCNICA

PONTE PRETA 3 X 0 GUARANI

Data: 16 de março de 2019 (sábado)

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)

Horário: 19h (de Brasília)

Arbitragem:  Raphael Claus

Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Danilo Ricardo Simon

Público: 11.287 pagantes

Renda: R$ 325.235,00

Cartões amarelos: Edson, Thalles, Reginaldo (Ponte Preta); Ricardinho, Ferreira, Deivid, Felipe Amorim (Guarani)

Gols:

PONTE: Thalles, aos 41 minutos do primeiro, DIego Renan, aos dois, e Gerson Magrão, aos 25 minutos do segundo tempo

PONTE PRETA:  Ivan; Luís Ricardo, Renan Fonseca, Reginaldo e Diego Renan (Giovanni); Edson e Gérson Magrão; Matheus Oliveira, Matheus Vargas (Nathan) e Júlio César (Abner); Thalles

Técnico: Jorginho

GUARANI: Giovanni; Léo Príncipe, Ferreira, Diego Giaretta e William Matheus; Deivid e Ricardinho; Felipe Amorim, Thiago Ribeiro (Mateusinho) e Diego Cardoso (Fernando Viana); Anselmo Ramon (Carlinhos)

Técnico: Osmar Loss

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • comentários
publicidade