0

Entenda como Cruzeiro e Fluminense foram parar juntos na zona de rebaixamento

Times de tradição e campeões brasileiros nesta década lutam para permanecer na elite

23 set 2019
12h20
  • separator
  • 0
  • comentários

A 20ª rodada do Campeonato Brasileiro impôs a Cruzeiro e Fluminense uma dura realidade na competição. Os dois times pela primeira vez estão juntos na zona de rebaixamento da competição, atrás até mesmo de times com orçamentos menores, como Ceará e CSA. Após terem sido campeões brasileiros nesta década, agora mineiros e cariocas terão de lidar pela frente com a pressão e com a realidade dos erros cometidos nos últimos tempos.

Na próxima rodada, neste meio de semana, os times terão uma nova chance para se recuperar. O Cruzeiro entra em campo contra o Ceará, no Castelão, na noite de quarta-feira. Já na quinta, no Maracanã, será a vez do Fluminense receber o Cruzeiro. O Estado analisa quais fatores em comum levam essas duas equipes a estarem em situação tão complicada na tabela.

Crise financeira

Os dois clubes encaram graves crises financeiras, com problemas salariais e conflitos nos bastidores. Tanto o elenco como alguns funcionários não têm recebido em dia. O ambiente é até pior no Cruzeiro, onde possíveis irregularidades da diretoria e protestos da torcida marcaram o cotidiano de treinos da equipe na Toca da Raposa.

Defesa fraca

Cruzeiro e Fluminense aparecem na lista das piores defesas do Brasileirão. A equipe carioca, aliás, sofreu 32 gols em 20 jogos. Só a Chapecoense, com 33 gols sofridos, tem retrospecto pior. O time mineiro não fica tão distante, ao ter levado 30 gols e acumular três derrotas nas últimas rodadas da competição, inclusive uma goleada dentro de casa para o Grêmio, por 4 a 1.

Jogadores decisivos em baixa

Neste momento de queda de rendimento, até mesmo grandes apostas dos clubes têm decepcionado. No Fluminense, o meia Ganso e o atacante Nenê chegaram neste ano para reforçar o clube, mas vivem momento ruim. No Cruzeiro, o meia Thiago Neves e o atacante Fred passam por situação parecida, com o agravante de terem ainda enfrentado algumas desavenças com o técnico Rogério Ceni.

Troca de técnicos

Para tentar se salvar, os dois clubes fizeram trocas de treinadores recentemente. As mudanças evidenciaram a busca por um perfil diferente de comando e ainda não geraram o resultado esperado. No Cruzeiro, Mano Menezes saiu depois de três anos e deu lugar a Rogério Ceni. O ex-goleiro tem buscado criar um estilo ofensivo, mas encara problemas com alguns jogadores. No Fluminense, a equipe trocou a proposta de troca de passes existente com Fernando Diniz pelo trabalho de Oswaldo de Oliveira, que conseguiu como principal resultado uma vitória sobre o Corinthians, por 1 a 0.

Saída de jogadores

Os dois elencos perderam para esta temporada o jogador principal. Grande nome do Cruzeiro em 2018, o uruguaio Arrascaeta se transferiu para o Flamengo em uma transferência superior a R$ 60 milhões. O jogador continua em alta no novo clube, mas deixou o time mineiro sem um substituto à altura. O Fluminense vendeu no meio do ano o atacante Pedro para a Fiorentina, da Itália, e ainda se desfez de jogadores titulares como Sornoza e Ayrton Lucas.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade