0

'É uma partida de vida ou morte, mas não há pressão', diz técnico da Rússia

Equipe anfitriã encara a Espanha neste domingo às 11 horas e Stanislav Cherchesov espera corresponder expectativa da torcida

30 jun 2018
10h57
atualizado às 10h57
  • separator
  • comentários

O técnico Stanislav Cherchesov afirma que a seleção da Rússia não se sente pressionada para enfrentar a Espanha pelas oitavas de final da Copa do Mundo, neste domingo, às 11 horas (de Brasília), em Moscou. O treinador fala apenas em "responsabilidade" diante da expectativa da torcida.

"É uma partida de vida ou morte, pois só apenas uma vai seguir às quartas de final. Mas não há pressão. Há apenas uma grande responsabilidade. Os dois times sentem essa responsabilidade. É como se fosse um exame escolar em que escrevemos para o professor anotar e pontuar. Não poderemos mudar o que fizermos", comparou o treinador em entrevista coletiva no estádio Luzhniki, em Moscou, neste sábado.

Depois de certa desconfiança no início da Copa, a torcida russa vem apoiando a equipe de forma entusiasmada. No jogo que garantiu a classificação, em São Petersburgo, os torcedores lotaram a Arena Zenit. A derrota para o Uruguai no confronto seguinte, porém, diminuiu um pouco a empolgação dos torcedores.

O meia Cherysev também falou em responsabilidade neste sábado, mas prefere ver a partida como uma festa, pois o estádio deverá receber cerca de 80 mil pessoas. "Para nós, tem que ser uma festa. E também para as pessoas que estarão aqui. Nós temos que dar 200% e sermos responsáveis. Mas o time está bem, tranquilo e preparado", disse o meia que atua no futebol espanhol - atualmente ele defende o Villarreal.

Na última vez em que se enfrentaram, Rússia e Espanha empataram por 3 a 3 em um amistoso disputado em São Petersburgo. Neste domingo, as duas seleções disputam as oitavas de final da Copa da Rússia. Cherchesov afirma que a partida não será necessariamente um parâmetro para este jogo em Moscou. Em sua visão, as duas equipes mudaram muito.

"Nós mudamos porque foi preciso. Tivemos de fazer alterações e estamos conseguindo certo êxito com as novas peças. A Espanha mudou o treinador, não sei bem por que razão, mas também está bastante diferente", afirmou o treinador.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade