PUBLICIDADE

Conmebol inicia distribuição de vacinas contra a covid-19

Elas serão ofertadas para os jogadores, membros da comissão técnica e assistentes e outras pessoas envolvidas na organização dos jogos

29 abr 2021 13h20
| atualizado às 14h13
ver comentários
Publicidade
Frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração
05/12/2020
REUTERS/Dado Ruvic
Frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração 05/12/2020 REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Reuters

Um dia depois de receber as vacinas contra covid-19, doadas pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, a Conmebol iniciou a distribuição dos imunizantes para todo o continente, nesta quinta-feira (29). A instituição informou em nota que realizará as transferências sem custos para as Associações Membros. As vacinas não são apenas para os jogadores, mas também para membros da comissão técnica e assistentes, seguidos na ordem de preferência por árbitros e pessoas envolvidas na organização das partidas.

A prioridade será dada para as equipes que irão disputar a Copa América de 2021, que está marcada para começar no dia 13 de maio. Posteriormente, para as equipes envolvidas na Libertadores e na Sul-Americana, e por fim clubes da primeira divisão de seus respectivos países. A Conmebol ressaltou que as vacinas devem ser aplicadas apenas em pessoas que fazem parte do objetivo desta campanha. Caso haja sobra dos imunizantes, as Associações Associadas devem identificar as pessoas que receberão essas doses.

"O protocolo de vacinação desenvolvido pela Conmebol praticamente garante que cada dose tenha 'nome e sobrenome' e que não possam ser desviadas ou utilizadas em pessoas que não fazem parte do objetivo desta campanha. O Ministério da Saúde de cada país também manterá um registro detalhado das pessoas que recebem a vacina. Além disso, a Secretaria-Geral da Conmebol e o Departamento de Ética e Compliance terão participação ativa no acompanhamento do processo e na posterior prestação de contas", afirmou o comunicado divulgado pela organização. 

"Se, após o cumprimento do objetivo, for registrado um remanescente - pela forma como as vacinas devem ser divididas ou pela recusa de algumas pessoas em receberem o imunizante -, as Associações Associadas deverão destinar essas doses a pessoas devidamente identificadas, previamente aprovação da

. O critério, claro, é que nenhuma vacina seja perdida e que a prioridade seja dada ao ambiente do futebolístico", concluiu o comunicado. 

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade