PUBLICIDADE

Pressionados em clássicos, Vítor Pereira e Bustos se enfrentam pela primeira vez

22 jun 2022 08h06
ver comentários
Publicidade

Corinthians e Santos travam nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), na Neo Química Arena, o primeiro encontro das oitavas de final da Copa do Brasil. O embate colocará frente a frente Vítor Pereira e Fabián Bustos pela primeira vez. E ambos chegam com a pressão de nunca terem vencido um clássico.

Desde que assumiu o Timão, no dia 23 de fevereiro, o comandante português soma cinco clássicos, dos quais ele perdeu quatro e empatou um. A sua estreia, aliás, foi logo em um Majestoso, uma semana após ser apresentado no novo clube..

Ao todo, são duas derrotas para o Palmeiras (2 x 1 no Allianz e 3 x 0 na Arena Barueri) e duas derrotas (1 x 0 e 2 x 1, ambas no Morumbi) e um empate (1 a 1 em Itaquera) contra o São Paulo.

Agora, ele terá a oportunidade de enfrentar o Santos pela primeira vez e, quem sabe, acabar com esse mau aproveitamento em clássicos.

Do outro lado, no entanto, o desejo de Bustos é o mesmo. O argentino foi anunciado no dia 25 de fevereiro e soma três embates contra os principais rivais do estado.

O treinador tem apenas derrotas, sendo duas para o Palmeiras (1 x 0 no Allianz e 1 x 0 na Vila) e uma para o São Paulo (2 x 1 no Morumbi).

Para tentar encerrar o jejum, Bustos espera repetir o feito do seu antecessor. Isso porque a única vitória do Santos em clássicos neste ano foi justamente contra o Corinthians, ainda sob o comando de Fábio Carille. No dia 2 de fevereiro, o Peixe derrotou o Timão por 2 a 1, em plena Neo Química Arena.

O revés no clássico, aliás, acabou culminando na demissão de Sylvinho do Corinthians, o que abriu espaço para a chegada de Vítor Pereira.

Além de ser o primeiro encontro de VP e Bustos, o clássico também ficará marcado por outro fator. Será a primeira vez que os alvinegros se enfrentam com técnicos estrangeiros após 44 anos. A última vez que isso aconteceu foi em 1978.

Na ocasião, o Corinthians tinha o argentino Armando Renganeschi no banco de reservas, quanto o o Peixe era comandado pelo também argentino Ramos Delgado. O jogo terminou empatado sem gols, no Morumbi.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade