0
Logo do Copa do Brasil
Foto: terra

Copa do Brasil

Atlético-MG e Santos empatam e deixam duelo pela Copa do Brasil aberto

Alvinegros ficam no 0 a 0 em duelo de ida pelas oitavas de final da competição

15 mai 2019
21h28
atualizado às 21h28
  • separator
  • 1
  • comentários

O primeiro encontro entre Atlético-MG e Santos pelas oitavas de final da Copa do Brasil foi movimentado, mas sem gols. Nesta quarta-feira, no Independência, os times desperdiçaram oportunidades e não saíram do 0 a 0, deixando a definição da série aberta para o duelo de volta que vai ser disputado apenas em 6 de junho, no Pacaembu.

Com Jorge Sampaoli suspenso por expulsão na fase anterior da Copa do Brasil, o Santos foi orientado da área técnica pelo auxiliar Jorge Desio e voltou a ter mudanças na escalação, com a retomada do esquema com três zagueiros e os retornos de Jean Mota e Derlis González para a formação inicial. Já no Atlético-MG, a presença de José Welison no lugar de Adilson foi a única novidade, sendo que o time encerrou uma sequência de nove jogos em que havia sido vazado.

Embora a partida tenha sido disputada no Independência, o domínio do primeiro tempo foi todo do Santos. Era o time visitante que controlava as ações diante do Atlético-MG, que logo nos minutos iniciais perdeu Fábio Santos, lesionado, e precisou improvisar Patric na lateral direita.

O Santos apostava na velocidade de Rodrygo e Derlis González pelas pontas, com a parceria de Victor Ferraz e Jorge, dando trabalho a Guga e Patric, que tinham grande dificuldade na marcação. Além disso, Jean Lucas ditava o ritmo no meio-campo, que trocava passes e ainda pressionava a saída de bola, sufocando o Atlético-MG. Em um desses momentos de marcação pressão, teve boa chance com Victor Ferraz, aos 28 minutos, que bateu por cima após avançar com a bola, recuperada depois de um passe errado de Réver.

Acuado, o Atlético-MG mal aproveitava os espaços dados pelo Santos, não conseguindo aproveitar os contra-ataques e só conseguindo finalizar após erros da defesa adversária - em uma delas, Ricardo Oliveira bateu para muito longe. E foi criar a sua primeira boa trama ofensiva após os 30 minutos, quando depois de troca de passes que envolveu Geuvânio e Chará, Luan bateu de longe e para fora, assustando Éverson.

Foi, porém, uma rara oportunidade do Atlético-MG, que se ressentia da falta de um organizador no meio-campo para criar jogadas perigosas e também reter mais a posse de bola. Até por isso, quem seguiu criando chances foi o Santos, que quase marcou um golaço aos 39 minutos, quando Jean Mota, na esquerda da entrada da área, pedalou diante de Guga e chutou cruzado, só não marcado por causa da boa defesa de Victor.

O cenário da partida se alterou no segundo tempo. O Atlético-MG voltou do intervalo com a marcação adiantada, começou a roubar mais bolas, mas tinha problemas para ser perigoso pelo bom desempenho do trio de zagueiros do Santos, pela atuação apagada de Ricardo Oliveira e também por alguns passes errados, ameaçando no começo apenas em uma finalização de Luan.

Com a intenção de tornar o time mais criativo, o interino Rodrigo Santana promoveu a entrada de Cazares, que não atuava desde o primeiro duelo da decisão do Campeonato Mineiro, e o Atlético acendeu de vez no jogo, quase marcando aos 20 minutos com o equatoriano, não fosse a boa defesa de Éverson.

O Atlético-MG, porém, sofreu uma nova baixa por lesão - Luan precisou ser substituído. E embora ainda tenha perdido uma chance com Elias, as trocas enfraqueceram o time, que acabou sendo dominado pelo Santos nos minutos finais, só ameaçando o rival no fim, em lances de bola parada.

Os times, agora voltam a se concentrar no Brasileirão. No sábado, o Santos duelará pela liderança com o Palmeiras, no Pacaembu. Já o Atlético-MG, novamente no Independência, receberá o Flamengo, pela quinta rodada.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 0 x 0 SANTOS

ATLÉTICO-MG - Victor; Guga, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos (Patric); Zé Welison; Geuvânio (Cazares), Elias, Luan (Nathan) e Chará; Ricardo Oliveira. Técnico: Rodrigo Santana.

SANTOS - Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Diego Pituca, Jean Lucas e Jorge; Rodrygo (Cueva), Jean Mota e Derlis González (Soteldo). Técnico: Jorge Desio.

ÁRBITRO - Rodrigo D'Alonso Ferreira (SC).

CARTÕES AMARELOS - José Welison, Elias.

RENDA - R$ 178.476,00.

PÚBLICO - 11.176 torcedores.

LOCAL - Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Estadão
  • separator
  • 1
  • comentários
publicidade