0
Logo do Seleção Brasileira
Foto: terra

Seleção Brasileira

Que venham os belgas!

Ainda é cedo para falar em hexa, mas Brasil empolga contra o México e vai em busca de mais uma semifinal de Copa

2 jul 2018
18h18
  • separator
  • 0
  • comentários

O clima de já ganhou cresceu depois da vitória convincente sobre o México, na melhor partida brasileira na Copa. Na comemoração pelo país, teve o sempre indefectível Olodum na telinha, mas também apareceu sem querer, querendo e com muita astúcia, um Chapolin tupiniquim, que faz fama na emissora rival e que mandou aquele abraço no plim plim.  

Torcida está empolgada com a campanha do Brasil na Copa
Torcida está empolgada com a campanha do Brasil na Copa
Foto: Thiago Bernardes/Frame Photo / Estadão Conteúdo

Voltando ao jogo. Motivos para a empolgação não faltam. A Seleção tem uma defesa sólida, que, mesmo quando os mexicanos estiveram melhor no início do jogo, impedia que a bola chegasse ao gol de Alisson, o que só foi acontecer no segundo tempo.

Casemiro e Paulinho parecem ter sido feitos um para o outro e dão segurança para que o quarteto mágico possa brilhar. Dessa vez, Philippe Coutinho teve uma participação mais discreta, só que para azar mexicano Neymar e William tiveram atuações de gala. Gabriel Jesus ainda não fez parte da multiplicação de gols, mas Firmino mostrou que segue firme e forte para entrar quando for preciso.

No segundo tempo, a seleção mostrou que é praticamente imbatível, quando quer definir o jogo. Em cinco minutos, o calcanhar de Neymar e a disparada do foguetinho William mandaram para o espaço os simpáticos mexicanos. E reparem que dessa vez Neymar só caiu para marcar de carrinho. Tudo bem que vinte minutos depois, ele caiu de novo, depois de ser pisado por Layun fora de campo e ficou quatro minutos deitado, o que gerou reclamações do técnico mexicano após o jogo.

No segundo gol, já nos acréscimos, outra jogada de Neymar e gol de Firmino. O craque brasileiro ainda desperta ódio e paixão, mas está mais atento, parece ter atingido a melhor forma e deixa no brasileiro aquele gostinho de hexa na boca e é aí, senhoras e senhores, que mora o perigo.

A sensação de que entramos na contagem regressiva só aumentou com as dificuldades que a Bélgica encontrou para vencer o Japão, de virada, por 3 a 2. No segundo tempo mais emocionante da Copa, Haragushi e Inui mostraram o quanto a defesa belga é frágil e os fizeram dois gols, em seis minutos, para desespero dos apostadores de bolão.

A Bélgica acordou e tirou proveito da baixa estatura dos defensores japoneses para empatar com dois gols de cabeça marcados por Vertonghen e Felaini. O jogo caminhava para a prorrogação, quando o imponderável e a ingenuidade dos japoneses permitiram a virada no último minuto.  Em um contra-ataque que começou depois de um escanteio para o Japão, a bola saiu do goleiro Courtois para De Bruyne, passou por Meunier, teve deixadinha de Lukaku até encontrar Chadli, livre, leve e solto para marcar.

Apesar de toda a euforia e de estarmos perto de mais uma semifinal, quem sabe com direito a um chocolate contra os belgas, ainda é cedo para pensar no hexa. Que os exemplos de outros quadrados mágicos como o de 82, que encantou e não levou, ou o de 2006, que chegou como favorito e parou na França do Zidane, não sejam esquecidos.

A terça-feira vai definir o último confronto das quartas de final. Será que só vai ter gol no segundo tempo? Façam suas apostas!

Fonte: Blog A Copa no sofá   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade